Inauguração da nova sede da Casa da América Latina e UCCLA

Etiquetas: , , , , ,
___________________________________________________________________________________

30 de setembro
18h30
Casa das Galeotas (Avenida da Índia 110, 1300-300, Lisboa)

A Casa da América Latina vai inaugurar no dia 30 de setembro, pelas 12h00, a sua nova sede, que será partilhada com a UCCLA – União de Cidades Capitais de Língua Portuguesa, na Avenida da Índia.

O evento contará com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, do ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, do presidente da Câmara de Maputo, David Simango, assim como de altas personalidades de referência nacional e das cidades que representam as duas instituições.

Para todos aqueles que queiram visitar a exposição “(Co)Habitar”, que estará patente neste espaço até janeiro de 2017, será ainda realizado um cocktail de inauguração pelas 18h30, que contará com a atuação do músico Rodrigo Amado. O edifício, recentemente renovado pela CARI Construtores, foi, no século XVIII, um armazém dos bergantins e galeotas reais, herdando daí a denominação de “Casa das Galeotas”.

No âmbito das comemorações desta mudança, que se realiza após 18 anos de permanência da CAL na Avenida 24 de Julho, apresenta-se um programa de visitas guiadas, performances e conferências multidisciplinares com incidência na temática da “(co)habitação” – conceito que tanto se refere à partilha da nova sede entre as duas instituições, como à permanência simultânea de trabalhos artísticos oriundos de vários países da América Latina e de Língua Portuguesa num mesmo espaço.

“(Co)Habitar” reúne um conjunto de obras das artistas Lia Chaia e Andrea Brandão que exploram o espaço habitável em diferentes vertentes. Se, por um lado, as artistas foram convidadas, através do seu trabalho, a conviver temporariamente num mesmo espaço expositivo, por outro, as suas trajetórias de criação levaram-nas a cruzar e a habitar lugares reais ou imaginários que, com a sua carga histórica, cultural e política, alimentam de diferentes formas as suas práticas.

A programação paralela a esta exposição arranca no sábado, dia 1 de outubro, com a organização de uma visita guiada, uma conferência com o curador peruano Emílio Tazarona e uma performance pela artista Lia Chaia.

Casa das Galeotas

Durante séculos, uma larga faixa de praia fluvial na frente ribeirinha, determinou a vida desta zona da Junqueira, caraterizada pela utilização portuária. Cais, de maiores ou menores dimensões, armazéns de variadas mercadorias, telheiros, casas de malta, casas de aprestos, todas as estruturas que acompanhavam a atividade fluvial, aqui se encontravam presentes.

Desde o séc. XVIII, esta zona foi marcada pela atividade dos iates reais, escaleres, bergantins e galeotas, que estavam armazenados, desde o Terramoto, num edifício próprio, referido na planta de Filipe Folque. Os tripulantes destes barcos, recrutados no Algarve, ficaram conhecidos pelo nome da província de onde eram originários, residiam nas cercanias e deixaram a sua memória na toponímia da zona, na travessa dos Algarves. Rocha Martins retrata-os como “garridos e pomposos”, nos seus uniformes de jaqueta escarlate e calça branca ou azul, conforme a estação do ano.

Após a República, a saída dos reais barcos para o Depósito da Azinheira, localizado no Seixal, assim como o aterro da Praia da Junqueira, alteraram profundamente esta zona. O movimento portuário cessou por completo, perdendo-se a azáfama diária dos que iam e vinham, carregavam e descarregavam mercadoria dos e para os numerosos armazéns que aqui foram erguidos, como os de Paulo Jorge, produtor do Vinho de Carcavelos, que aqui também deixou a sua memória na toponímia.

Para saber como chegar à nova sede da CAL, deixamos abaixo algumas indicações:

Autocarros (Rua da Junqueira): 714, 727, 728, 729, 751
Elétrico (Rua da Junqueira): 15E, 18E
Comboio: Belém
Pontos de referência: Museu Nacional dos Coches, Museu da Eletricidade e Cordoaria Nacional
Coordenadas GPS: 38°41’46.9″N 9°11’52.4″W