Chegou ao fim a Mostra de Cinema da América Latina em Lisboa

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

Terminou no domingo, 13 de Dezembro, mais uma Mostra de Cinema da América Latina em Lisboa. Agora, que descemos à terra, o sentimento é de grande satisfação. Constatamos com prazer que este cinema interessa a cada vez mais pessoas – portugueses, latino-americanos e não só – e que, ao fim de seis edições, conseguimos formar um público com quem pudemos celebrar, a cada um dos quatro dias, a América Latina viva e plenamente.

É verdade que todos os anos dizemos a nós próprios que a edição da MCAL que se encerra é “a melhor de sempre”. Mas também não deixa de ser verdade que se o dizemos é porque notamos que a Mostra de Cinema da América Latina tem crescido com pés e cabeça de ano para ano, com uma identidade própria, comprometida em mostrar bom cinema e, ao mesmo tempo, uma América Latina real e multifacetada.

A vibração do público que encheu a sala Manoel de Oliveira na estreia nacional de “El Abrazo de la Serpiente”, a sensibilidade e disponibilidade dos nossos convidados Jan Bijvoet (El Abrazo de la Serpiente), Ana Cruz e Marco Julio Linares (Las Sufragistas) e Sergio Castro San Martín (La Mujer de Barro), e a performance “surpresa” dos tangueros Nilza e Pablito logo após a exibição de “El Clan”, são alguns dos momentos que fizeram desta mostra uma verdadeira festa do cinema da América Latina

Já o sabíamos, mas confirmámos que o Cinema São Jorge é um parceiro essencial para a MCAL. Não só por ser um local onde se privilegia a cultura na sua riqueza e diversidade, mas também pela competente e incansável equipa com quem trabalhámos em total sintonia.

Daqui a uns dias, os números vão confirmar se esta foi ou não a MCAL mais concorrida de sempre, mas para já podemos afirmar com certeza que foi a mais feliz. E muito disso deve-se ao trabalho do Cinema São Jorge, EGEAC, Câmara Municipal de Lisboa e das várias Embaixadas que nos últimos seis anos nos têm apoiado incondicionalmente para elevar a MCAL a outros patamares.

Claro que também não podemos deixar de agradecer aos nossos patrocinadores, parceiros institucionais e mediáticos, que fizeram tudo para atrair o público que encheu as salas do São Jorge. Queremos acreditar que, graças a eles, a Mostra de Cinema da América Latina encontrou um lugar distinto no riquíssimo panorama cultural de Lisboa.

Um lugar que esperamos vir a ocupar em Loulé já a partir de 2016. Em Janeiro, entre os dias 28 e 31, levaremos os filmes da sexta edição da MCAL ao Cine-Teatro Louletano, onde novos públicos poderão aderir a esta festa que é o cinema da América Latina.