Expocomer 2017 Panamá: “vestir a pele de um local para ter êxito”

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

“O Panamá é tanto uma ponte para os investimentos na América, como uma ligação ao Pacífico e Atlântico”, garantiu a Embaixadora do Panamá em Portugal, Ilka Varela de Barés, no workshop realizado na Casa da América Latina (CAL) no dia 19 de janeiro a propósito da Expocomer – “Como exportar para o Panamá?”, organizada por esta embaixada, pela CAL e Fundação AIP. A embaixadora salientou que este é o melhor mercado para compra e venda da região, muito em parte pelas condições excecionais permitidas pela instalação de investimentos nas zonas francas de Cólon e Panamá Pacifico, próximas ao Canal do Panamá.

A Feira Internacional Expocomer 2017 realiza-se na Cidade do Panamá entre 22 e 25 de março. Contou no ano passado com a presença de cerca de 700 empresas provenientes de 32 países. Esta será uma oportunidade para a apresentação de produtos e serviços por parte das empresas portuguesas de variados setores. Ilka Varela de Barés salientou construção, têxteis, moda, novas-tecnologias, agro-alimentar, decoração, imobiliário, como alguns dos mais promissores.

O vice-presidente da Comissão Executiva da CAL, Embaixador Mário Lino da Silva, destacou a necessidade em “aprender a pensar local” no âmbito da abordagem dos mercados para onde as empresas pretendem internacionalizar: “Temos de vestir a pele de um local para ter êxito. Temos várias similaridades com países como o Panamá, mas é importante estar atento às idiossincrasias específicas, para podermos falar a mesma linguagem e assim melhor negociar.”

André Magrinho, da Fundação AIP, afirmou que o Panamá é uma economia que tem crescido de forma sustentada. “O mercado da América Latina é uma das nossas grandes prioridades, sendo que é imperativo descentralizar as nossas exportações, que estão muito concentradas na Europa. Esta região é a que mais se ajusta a esta preocupação, e o objetivo é aprofundar a relação entre as empresas e os centros de saber entre os dois continentes, começando pela ligação à diáspora portuguesa”, afirmou.

No segundo ano marcado pela presença portuguesa na Expocomer, o Diretor da Fundação AIP, Jorge Oliveira, prevê resultados positivos, a começar pela participação especial do InovCluster de Castelo-Branco, na organização desta presença conjunta. A localização privilegiada que o stand português terá à entrada do recinto, e o investimento intensificado em reuniões bilaterais são pontos de interesse acrescidos nesta missão. “Existe já uma comunidade de mais de 300 portugueses, na sua maioria empresários, a viver na Cidade do Panamá. Este país acolhe bem as empresas e esta presença conjunta, CAL, Embaixada do Panamá, Fundação AIP e Inov-Cluster só pode ser bem sucedida”, acrescentou.

No ano passado, estiveram presentes na feira oito empresas ligadas à Construção, Alimentação, Embalagem e Tecnologias de Informação. Cristina Valério, Coordenadora de Programação Económica e Empresarial da CAL, explicou que o Panamá é “um país com bons negociantes, bastante agressivos na hora de comerciar. Não basta ir uma vez ou enviar email. É necessário ganhar a confiança e aproveitar as oportunidades deste país que decidiu, como estratégia, atrair investimento externo e cresce a 6% ao ano”.

A terminar e apresentando os aspetos mais técnicos da Expocomer, os empresários tiveram a oportunidade de conversar com o Coordenador de Negócios Internacionais da Câmara de Comércio, Indústria e Agricultura do Panamá, Luis Felipe Muñoz. Este salientou a atenção ao processo de registo sanitário, no casos dos produtos alimentares (mas que é não é necessário para a Expocomer), a plataforma e a ronda de negócios que se promove durante a Feira com mais de 100 compradores e as oportunidades do setor da construção em termos de habitação e outros projetos residenciais para classe média. “Na próxima semana vamos fazer uma ronda internacional de promoção da Feira e das empresas que já confirmaram a sua presença. No Panamá há grandes investimentos, mas também temos muitas carências em certos setores. Associarem-se à feira é a melhor forma de entrar no Panamá e nós estamos cá para vos apoiar”, incentivou Luis Felipe Muñoz, dirigindo-se às empresas presentes no evento.