Startups brasileiras antecipam Websummit na Quidgest

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

No âmbito do Programa MTECH 2018, organizado pela Digital Trees em parceria com a Quidgest, realizou-se em Lisboa, a conferência luso-brasileira Lisbon Tech, no passado dia 5 de novembro.

Antecipando o Websummit, esta conferência sobre inovação e tecnologia, tornou-se num espaço de partilha e apoio às empresas portuguesas e brasileiras do setor das TIC’s.

O objetivo é o desenvolvimento de negócios e parcerias estratégicas entre os dois mercados, potenciando o que Lisboa tem de melhor: Sun, Sea and Technology.

Pedro Taunay – Conselheiro Economico da Embaixada do Brasil e Maria Martins, consultora da Quidgest, abriram os trabalhos lançando as bases da discussão na sessão abordando a criação de negócios, fundos de investimento e políticas de atratividade orientadas para empresas brasileiras, interessadas em realizar investimentos em Portugal, a partir da própria experiência da Quidgest.

Gustavo Meirelez, Co-Founder da Digital Trees, iniciou a sua intervenção destacando o conceito por trás do MTECH, referindo “a colaboração internacional, as parcerias comerciais e tecnológicas e a internacionalização de startups” como as principais linhas do Programa e enfatizando a importância na construção de pontes globais, tendo Brasil e Portugal como eixo central deste processo. Apresentou ainda a missão e caravana tecnológica Brasil – Portugal, que consiste num road-show de empresas brasileiras por diferentes cidades portuguesas, potenciando reuniões de negócios e dando a conhecer in loco a realidade do tecido empresarial português às empresas brasileiras participantes.

Esta sessão contou ainda com a presença de Maria da Glória Guimarães, CEO da SERPRO, a maior empresa de Centros de Dados da América Latina, que ao longo de 53 anos, aprimorou e desenvolveu tecnologias para recolha e tratamento de dados dos grandes sistemas da Administração Pública Federal brasileira.

“Apoiamos startups e projetos universitários com objectivos pragmáticos de negócio, não faz sentido para a PeD Brasil, Associação de Empresas de Desenvolvimentos Tecnológico Nacional e Inovação, apoiar papers exclusivamente de índole científica. A nossa missão é incentivar a criação de emprego, o uso do poder de compra do estado, potenciar e expandir negócios das empresas brasileiras no exterior. E é isso que pretendemos fazer com a nossa deslocação a Portugal. Mais, Lisboa tem de ser a porta de entrada de empresas brasileiras na Europa. É o seu destino natural. Brasileiros e portugueses temos de ser capazes de nos unir e trabalhar em conjunto na internacionalização das nossas empresas” refere Rosilda Prates, Diretora Executiva da Consultora HEXA Brasil e da PeD Brasil, Associação de Empresas de Desenvolvimentos Tecnológico Nacional e Inovação.

A sessão terminou com as apresentações de empresas presentes, num momento de networking, onde Raquel Abrantes do SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), uma entidade que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável de PME’s, com faturação bruta anual até 4,8 milhões reais, salientou a necessidade de fortalecimento de parcerias de entidades públicas, para o apoio efetivo das PME’s nos dois lados do Atlântico.