Pós-Covid-19: Os desafios ibero-americanos para o setor de turismo e hotelaria

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

“Dar confiança aos viajantes, estabelecendo os protocolos de segurança apropriados é essencial para a recuperação do turismo”, esta foi uma das conclusões que saiu do Fórum: Os desafios ibero-americanos para o setor de turismo e hotelaria, pós-Covid-19, organizado no mês de maio, pela Revista Soy Caribe Premium, Probusiness Place e Rede de Madrid Espanha, com o apoio da Casa da América Latina. 

O evento virtual reuniu importantes empresas e entidades do setor de turismo na Espanha e na República Dominicana (Coral Hospitality Corp. Casa de Campo, Turkish Airlines, FIIAAP – Fundación Internacional y para Iberoamérica de Administración y Políticas Públicas). Debateram-se as principais medidas a serem adotadas pelos diferentes atores e agentes de turismo nestes países e as estratégias para a difícil recuperação do setor. Entre as conclusões, destacou-se a necessidade urgente de gerar confiança nos viajantes, através do estabelecimento de protocolos de segurança a implementar nos destinos. Além disso, apontaram como fundamental a coordenação e unificação de critérios dos membros da cadeia produtiva, para que o visitante receba informações padronizadas e de segurança nos diferentes pontos de contato durante as suas férias, sem existir informações contraditórias. Joel Santos, vice-presidente da Coral Hospitality Corp, comentou a importância de estabelecer e unificar esses protocolos em todas as empresas, instituições e complexos hoteleiros que intervêm no setor de turismo, entre os quais destacou como prioridades: aeroportos, transfers, hotéis, excursões… Ao mesmo tempo, destacou que “o lazer não é mais um luxo, mas uma necessidade”, referindo-se aos novos cenários que o turismo enfrentará. 

Por outro lado, Andrés Pichardo Rosenberg, presidente da Casa de Campo Resort e Vilas, República Dominicana, referiu-se à importância de manter a confiança da comunidade e nunca esquecer a responsabilidade social das empresas, protegendo o talento humano, salientando-o como o recurso mais importante. Rosenberg também revelou que haverá uma transformação nas experiências dos clientes, onde a implementação de novas tecnologias será vital, para reduzir o contato físico, bem como regulamentações adicionais que serão aplicadas, através de operadores turísticos e companhias aéreas.

Um dos principais setores que se espera ter uma reativação mais rápida será o nicho das “Viagens Corporativas” que, segundo María Jiménez, Diretora de viagens corporativas da FIIAAP, será decisiva para a reativação do setor. Além disso, afirmou que, mantendo os protocolos de segurança adequados, o turismo deve ser reativado o mais rápido possível.

Para Daniel Carrillo, Diretor de vendas corporativas da Turkish Airlines, é de vital importância ter protocolos padronizados para todos, para que os processos sejam idênticos em todos os casos, independentemente do modo de serviço ou localização geográfica. Ele observou que atualmente não há uma certificação uniforme/internacional base/Covid-19 para todas as companhias aéreas. Embora haja novas regulamentações que estão a ser trabalhadas para garantir a segurança dos viajantes, uma certificação universal, aproximada para todos é fundamental. Regras claras e comunicação transparente gera confiança nos clientes e sem confiança e segurança não há turismo.

Reveja aqui: