Investidores da Diáspora da América Latina incentivados a investir em Portugal

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

O I Encontro de Investidores da Diáspora teve lugar em Sintra, nos dias 16 e 17 de dezembro, no Centro Cultural Olga Cadaval, sob o tema “Conhecer para Investir”. Estiveram presentes cerca de 300 representantes de micro e pequenas empresas da diáspora, ministros, secretários de Estado, autarcas, presidentes de entidades públicas e representantes de câmaras do comércio que debateram e partilharam experiências entre as diversas realidades da diáspora e estabelecerem eventuais parcerias de negócio.

Esta iniciativa culmina o trabalho desenvolvido pelo GAID (Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora) da Secretaria de Estado das Comunidades, que permitiu identificar investidores da diáspora apoiando e informando-se nas suas intenções de investir em Portugal, referenciar o associativismo empresarial e sinalizar câmaras de comércio lusas em atividade.

Neste momento o GAD tem já uma base de dados com 7 mil micro e pequenas empresas e 66 Câmaras de Comércio. As áreas de atuação são sobretudo a agro-alimentar, logística e distribuição, construção civil e obras públicas, turismo e restauração, novas tecnologias de informação e comunicação, saúde e farmacêutica e também no ensino e educação.

Para Augusto Santos Silva, ministro dos negócios estrangeiros, “este encontro realiza-se no quadro geral de uma política pública de proximidade com as comunidades da diáspora e tem como principal objetivo atrair investimento da diáspora para Portugal. Pretende abrir e consolidar a sua dimensão económica e empresarial. O país tem de saber articular-se com a sua emigração.” reforçou.

“Sintra está de braços abertos para receber todos os que queiram regressar e investir. Oferece enormes potencialidades ao investidor graças ao somatório de fatores determinantes que a tornam uma zona empresarial de excelência, com infra-estruturas, acessos viários e ferroviários rápidos, projeção internacional como Património da Humanidade, qualidade de vida, amigo do ambiente e oferta cultural e de lazer” salientou Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra.

Nelson Souza, secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, referiu que “o país precisa dos empresários da diáspora”, não só como investidores, mas também como “porta de entrada” nos mercados onde se conseguiram instalar as comunidades portuguesas “pois conhecem melhor a realidade desses mercados e podem ser fundamentais nesse aconselhamento”.

“Com o GAID o Governo pretende aumentar o investimento português na economia nacional e o segundo encontro ficou marcado para Viana do Castelo em 2017” referiu o Secretário de Estado das Comunidades, José Miguel Carneiro.