O Lado da Luz: Adolfo Bioy Casares fotógrafo

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

[Texto de Manuela Júdice, Secretária Geral da Casa da América Latina]

Aproveitando o ensejo de ter ido a Buenos Aires participar na XVI Assembleia Plenária da UCCI, procurei conhecer um pouco da vida cultural da cidade tendo também em vista a busca de eventuais programas a apresentar na Casa da América Latina. A ocasião não tardou em surgir, num encontro com o Ministro da Cultura do Governo da Cidade de Buenos Aires, com o qual conversei sobre as actividades da CAL e da Fundação José Saramago comemorando o ano Cortàzar. Hermán Lombardi interessou-se por saber se não estávamos a comemorar também o centenário de Bioy Casares. Que sim, que o iríamos fazer em colaboração com a Universidade do Porto, respondi.

Foi-me então proposto visitar o Centro Cultural San Martín no intuito de ver a exposição O Lado da Luz – Bioy fotógrafo, uma produção do Governo da Cidade no âmbito das comemorações do Centenário de Adolfo Bioy Casares. Acabada de inaugurar, a exposição mostra um lado pouco conhecido do autor de A Invenção de Morel. São 55 fotografias que retratam a família, amigos e companheiros de tertúlia portenha e imagens da Ricoleta, o bairro onde viveu em Buenos Aires, mas também cidades por onde passou como o Cairo ou Berlim. Durante décadas foi fixando amigos, entre eles Jorge Luís Borges e Júlio Cortazar, a sua mulher, a autora Silvina Ocampo. Há mesmo uma selfie feita frente a um espelho…

Não sendo especialista em fotografia, não me atrevo a qualificar as obras expostas mas, não posso deixar de referir que a exposição vale como testemuno de um tempo, uma época que marcou a vida cultural de Buenos Aires. O autor daquelas fotografias não podia deixar de ser o mesmo homem que tantas obras escreveu desde o romance policial até à ficção científica. Há uma lógica que nos interpela e que nos fascina.

A exposição é comissariada por Daniel Martino, um dos especialistas argentinos de Bioy. Paralelamente a esta exposição estão previstas outras iniciativas sobre a obra de Bioy, sendo uma das mais populares a publicação de edições de bolso da maior parte dos seus livros.