Paraguai: uma porta aberta para os Portugueses

Etiquetas: , , , ,
___________________________________________________________________________________

[Testemunho de Francisco Acosta, Economista e Business Manager WordReference Paraguai, Develop New Business Manager da ANPME para o Paraguai, sobre oportunidades de negócio e investimento no Paraguai]

Apresentação

Com uma área aproximada de 410.000 km2 e cerca de 7.000.000 de habitantes, maioritariamente jovens, o Paraguai está entre os países mais eficientes na produção de alimentos. Aberto e ligado ao mundo, com índices de desenvolvimento interessantes, ambientalmente sustentável, é um país que garante a segurança da cidadania e da propriedade privada. Amigo do investimento estrangeiro, está consciente das mais-valias que pode potenciar a cooperação com empresas europeias e em particular com as portuguesas.

Sendo um país pouco conhecido para os portugueses, o mesmo apresenta oportunidades bastante interessantes para se trabalhar em diversos sectores da Economia que vão desde o sector da construção civil e obras públicas, indústria têxtil e vestuário, indústria do couro, agro-alimentar, tecnologias de informação até, por exemplo, ao estabelecimento de parcerias comerciais com empresas paraguaias que alavanquem as trocas comerciais.

Assunção, capital e maior cidade do país, com uma população de cerca de 750.000 habitantes, situa-se na baía de Asunción, na margem esquerda do rio Paraguai. Está inserida da região metropolitana da “Grande Asunción”, que possui uma população de cerca de 2.600.000 habitantes, com um alto IDH e forte produção comercial e industrial, sendo esta uma das principais regiões metropolitanas da América Latina. Sede dos três poderes da Nação (Executivo, Legislativo, Judiciário), é o principal porto fluvial por onde se transaccionam bens e mercadorias e o centro cultural do país. O rio Paraguai é o corpo de água mais importante da cidade, já que através deste se desenvolve o comércio fluvial.

Indicadores político-económicos e fiscais que nos fazem olhar para o Paraguai

Estável politicamente, as leis que regulam o investimento estrangeiro, por exemplo, datam da década de 90.

O país tem conseguido crescer de forma sustentável e ao mesmo tempo consegue ter uma das mais baixas taxas de inflação da América do Sul, em torno dos 4,5%, com boas reservas internacionais que ascendem a 6.000 milhões de USD. Podemos pensar que são indicadores positivos que estimulam o ambiente de negócios. A agência internacional de notação financeira S&P, atribui a classificação do país em BB com perspectiva de estabilidade, o que, por si, induz confiança entre os agentes de negócios.

O crescimento económico no Paraguai, em média, na última década, está entre os mais altos, experimentando um sólido crescimento, apoiado pela produção e exportação de matéria-prima e produtos manufacturados.

A nível fiscal têm uma política muito agressiva, até imbatível, em comparação com os países vizinhos acrescido de um argumento muito forte que é a liberdade de entrada e saída de capitais. Não existem constrangimentos a este nível. Podemos arriscar a dizer que o Paraguai é o México da América do Sul para a captação de empresas estrangeiras que queiram lá trabalhar e para as que queiram estabelecer parcerias com empresas locais a nível de trocas comerciais.

O Paraguai, com cerca de 22% de ROI, é o segundo país mais rentável para o IDE (Investimento Estrangeiro Directo), na América Latina ficando logo atrás do Peru que ronda os 25%.

Incentivos Fiscais

O incentivo existente para o investimento estrangeiro é principalmente fiscal. O IVA, IRC e IRS são taxados a 10%, o custo de produção/ hora é dos mais competitivos que há na América do Sul e existem estudos em que se demonstra que a produção no Paraguai chega a ser 35% mais baixo que no Brasil.

O País goza de um tratamento especial no que se refere às regras de origem de produtos manufacturados até 2023 e por isso é mais fácil adquirir origem MERCOSUL no Paraguai que em qualquer outro país membro. Se uma empresa estrangeira investir no Paraguai para exportação, o imposto único a pagar é de 1% o que exporta. É interessante pensar neste país como plataforma regional para negócios com os países vizinhos.

Apesar da evolução qualitativa da mão-de-obra, as empresas paraguaias buscam transferência do conhecimento (know-how) entre as empresas.
Aqui existe um potencial muito interessante para as pequenas e médias empresas portuguesas porque ao contrário de outros países, cujos negócios são de milhões ou de dezenas de milhões de euros, que à partida limita as PME´s, no Paraguai existem oportunidades de negócios com dimensão bem mais acessíveis ao alcance das nossas empresas. O tecido empresarial paraguaio é composto essencialmente por pequenas e médias empresas que estão receptivas a estabelecerem parcerias com empresas portuguesas, porque estas, no Paraguai, são reconhecidas por serem empresas dotadas de boas práticas de gestão e de produção.

ALGUNS MOTIVOS PARA INVESTIR NO PARAGUAI:

– A mais alta estabilidade monetária e fiscal da América Latina (nunca houve desvalorização brusca, expropriações ou congelamentos de capitais, etc.) . Simplicidade do sistema fiscal – o mais baixo da América do Sul;
– Rápida recuperação do crescimento económico e investimentos depois da crise 2008-2009, com crescimento económico superior que os países vizinhos;
– Atractivos legais para a atração de investimentos como a maquila, investimentos estrangeiros e zonas francas com vantagens fiscais;
– Porta de acesso ao MERCOSUR, uma zona de livre comercio com um PIB de US$ 2 billones, que também inclui a Argentina, Brasil e Uruguai;
– Excelente relação custo-beneficio da mão de obra na região e baixa carga social sobre os salários;
– População maioritariamente jovem;
– Abundante disponibilidade de energia eléctrica com as tarifas mais baixas da região;
– Clima agradável e ausência de desastres naturais. Abundância de água e terras férteis para a agricultura.

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS ENTRE OUTROS:

– Défice habitacional e materiais de construção: Existe um plano nacional para a construção de 1.200.000 casas nos próximos 20 anos;
– Obras públicas: Há um plano nacional para a construção de estradas, pontes, infraestruturas, escolas, hospitais e unidades ambulatórias, no valor de 8,5 mil milhões de USD;
– Industria têxtil, vestuário e do calçado. Indústria do couro;
– Tratamento de lixos e águas: Sectores em que procuram empresas com tecnologia para tratamento de lixos e empresas com competências para despoluição, gestão e distribuição de águas;
– Plano nacional de abastecimento de água potável e construção de saneamento básico;
– Industria Agro-Alimentar;
– Empresas TIC´s e Call Centers;
– Industria metalomecânica, carpintarias e demais sectores que contribuem para a produção da construção civil e obras públicas;
– Indústria e gestão naval;
– Área de prestação de serviços com valor acrescentado.

Francisco Acosta
Economista e Business Manager WordReference Paraguai
Develop New Business Manager da ANPME para o Paraguai