MCAL 2015: veja aqui o programa completo desta edição

Etiquetas: , , , ,
___________________________________________________________________________________

10 a 13 de Dezembro de 2015, Cinema São Jorge, Lisboa
28 a 31 de Janeiro de 2016, Cine-Teatro Louletano, Loulé

A Casa da América Latina apresenta a 6ª edição da Mostra de Cinema da América Latina, que decorre entre os dias 10 e 13 de Dezembro, no Cinema São Jorge em Lisboa, e pela primeira vez em Loulé, no Cine-Teatro Louletano, entre os dias 28 e 31 de Janeiro.

Esta edição apresentará três filmes indicados para Óscar de Melhor Filme Estrangeiro: El Clan (Argentina), A Que Horas Ela Volta? (Brasil) e El Abrazo de la Serpiente (Colômbia). A estes junta-se o filme brasileiro Campo Grande, bem como dois filmes da região do Caribe, Esther en Alguna Parte (Cuba) e De Pez en Cuando (República Dominicana). Já o Chile faz-se representar com La Mujer de Barro.

Por último, mas não menos importante, abrimos espaço ao documentário na MCAL. Do México chega-nos Las Sufragistas, que aborda a luta constante das mulheres mexicanas pelo direito de voto, ao passo que da Argentina vem Francisco de Buenos Aires, um retrado sobre um dos Papas mais mediáticos de que há memória.

Maria Xavier, Coordenadora e programadora da Mostra de Cinema da América Latina (MCAL) fala que esta edição «aposta uma vez mais na diversidade. A América latina é um espaço de contrastes, onde a unidade se faz na riqueza da sua diversidade. Aqui cada parte é uma parte. Cada história tem o seu lugar na História, cada personagem a sua vida. Queremos mostrar, através do programa da MCAL 2015, a vida como ela é: nas cidades, nos campos, na casa das pessoas, na sua intimidade .E reflectir, enquanto ocidentais e europeus, como terão sido no passado, os encontros com as diferentes culturas, reflexão que em cada dia se torna presente. Negociação cultural, social, geracional, política. Tensões, encontros e desencontros, sociedades vivas e em transformação… é o que o público pode ver neste cinema da América Latina que agora trazemos a Portugal.

O respeito ​pela​ diversidade exige uma programação livre e responsável, comprometida com a qualidade. Destaco assim a frescura dos filmes que compõem a mostra, alguns verdadeiramente originais, ​jovens, como o brasileiro ​, ​de par com outros já consagrados e premiados.
O colombiano El Abrazo de la Serpiente é o exemplo de um filme ​”​incontornável​”​, escolhido para abrir a mostra como quem abre caminho para um novo mundo. O prémio que o realizador Ciro Guerra obteve em Cannes, o Art Award, o reconhecimento da ​sua ​ousadia estética capaz de produzir uma obra-filme. E é para nós uma honra receber um dos ​seus ​protagonistas, o actor belga Jan Bijvoet, que partilhará com o público a sua experiência.​ Com ele poderemos entender o ponto de vista ​europeu e ocidental – ​do ator e do seu personagem – ​neste contato com o “novo mundo”.

É também gratificante poder reunir, numa só edição, três filmes ​nomeados para Hollywood: o já referido El Abrazo de la Serpiente, pela Colômbia, o El Clan, pela Argentina, que em Veneza recebeu o Leão de Prata para Melhor Realizador, Pablo Trapero, e o brasileiro A Que Horas ela Volta?, pelo Brasil, premiado nos festivais de Sundance (Prémio do Júri) e de Berlim (Prémio do Público). A esta diversidade não faltam filmes com mulheres e sobre mulheres, com destaque para La mujer de barro, protagonizado por Catalina Saavedra, uma atriz maior do cinema chileno (distinguida nos Festivais de Sundance e de Turim) e Las Sufragistas, um documentário sobre a luta das mulheres mexicanas pelo direito de voto, realizado por Ana Cruz.

Depois de termos apresentado a mostra no Porto na última edição, é a vez de a levar ao sul do país, recebidos pelo Cine-Teatro Louletano. É uma extensão simbólica, se pensarmos que, em números gerais, um terço da emigração portuguesa para a Argentina era algarvia (entre 1880-1930).

E, a propósito da Argentina, a não perder Francisco de Buenos Aires, a história de um latino-americano que se tornou Papa.

Finalmente, teremos em Lisboa Jan Bijvoet, Sergio Castro, Ana Cruz e Marco Julio Linares, convidados especialmente para a 6ª MCAL. Com eles vamos falar de cinema e testemunhar uma América Latina viva, real, vibrante, compreender o que nos une e o que podemos aprender uns com os outros. ​

O programa da 6ª Mostra de Cinema da América Latina reúne algumas das mais recentes propostas cinematográficas do novo cinema latino-americano e quer levar a mais recente produção cinematográfica da região a outros pontos do país.

A programação completa pode ser consultada no site oficial da MCAL 2015.