Leitura de poesia com Héctor Hernández Montecinos e António Carlos Cortez

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

13 de outubro
18h30
Bar Menina e Moça

Apresentação do poeta chileno Hector Hernandez Montecinos, dia 13 de outubro, às 18h30, no Bar Menina e Moça, com leitura de poemas, traduzidos por António Carlos Cortez.

Hector Hernandez Montecinos (Santiago, Chile, 1979)

Licenciado, Mestre e Doutor em Literatura. Aos 19 anos, recebeu o Prêmio Mustakis para Jovens Talentos. Aos 29 anos, recebeu o Prémio Pablo Neruda pela sua destacada trajetória no Chile e no exterior. Foi bolsista do Ministério de Culturas, Artes e Património do Chile, Fundação Andes, FONCA (México), AECID (Espanha) e Conicyt (atual Agência Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento). É o compilador dos dois volumes de 4M3R1C4: Novísima poesia latino-americana (2010 e 2017) e Halo: 19 poetas chilenos nascidos nos anos 90 (2014). Antologia da poesia latino-americana contemporânea (2010) por Pre-Textos e El Canon Abierto. Última poesia en español (2015) de Visor, entre outros. O seu projeto de poesia, Arquitectura de la Mentalidad, é composto por La Divina Revelación (1999-2011), Debajo de la Lengua (2007-2009) e OIIII (2012-2019). Os seus livros autobiográficos sobre a obra poética são: Buenas noches luciérnagas(2017), Los nombres propios (2018) e Contra el amanecer (em preparação). Todos os livros publicados pela RIL Editores no Chile e emEspanha. É também editor, ensaísta, gerente e professor.

António Carlos Cortez nasceu em Lisboa, em 1976. Poeta, ensaísta e crítico literário, colaborador permanente de diversas publicações, é professor de Literatura Portuguesa e de Português no Colégio Moderno, em Lisboa.

***

“Héctor Hernández Montecinos é um dos poetas com melhor presente e uma projeção de futuro mais clara da poesia chilena atual”.

Remedios Sánchez García
The Open Canon. Poesia mais recente em espanhol (Visor, 2015)

*

“A voz do escritor chileno Héctor Hernández Montecinos é uma das mais sugestivas da literatura latino-americana atual. Ele fala em dois sentidos: o de sua própria obra, explosiva em qualquer gênero, mas de brilhante raridade em poesia e ensaio, e a do trabalho alheio, que amplia com antologias, edições e festivais ”. REVISTA EÑE, Espanha