Prémio FIL de Literatura 2021 para a escritora chilena Diamela Eltit

Etiquetas: , ,
___________________________________________________________________________________

O Prémio Literário em Línguas Românicas da Feira Internacional do Livro de Guadalajara, no México, foi atribuído, por unanimidade, à chilena Diamela Eltit.

O júri destacou a sua escrita ímpar, “que renova a reflexão sobre a literatura, a linguagem e o poder”. A autora receberá o prémio no dia 27 de novembro na inauguração da Feira Internacional do Livro de Guadalajara

Pela “profundidade de sua escrita única, que renova a reflexão sobre a literatura, a linguagem e o poder na mudança do século. Uma voz trançada com as questões mais urgentes da contemporaneidade, em tempos de pandemia, migrações, depredação e devastação ambiental ”, a escritora chilena Diamela Eltit (Santiago do Chile, 1949) foi anunciada como vencedora do Prémio FIL de Literatura em Línguas Românicas 2021, que este ano atinge a sua trigésima primeira edição e receberá no dia 27 de novembro, durante a inauguração da Feira Internacional do Livro de Guadalajara. O júri do prémio, que decidiu por unanimidade, foi composto por Lorena Amaro Castro, do Chile; Marco Belpoliti, da Itália; Maria Eunice Moreira, do Brasil; Rafael Olea Franco, do México; Javier Rodríguez Marcos, da Espanha; Oana Sabo e Simona Sora, da Roménia.

Diamela Eltit González é uma escritora chilena pertencente à geração dos anos oitenta. Estudou na Universidade Católica do Chile, e em 1971 formou-se como professora do Estado Espanhol. Além disso, estudou literatura no Departamento de Estudos Humanísticos da Universidade do Chile. Já trabalhou como professora em várias universidades dentro e fora do seu país, sendo convidada para algumas universidades nos Estados Unidos como Berkeley, Stanford, John Hopkins, Pittsburgh, Virginia, Columbia, entre outras. Em 2014 e 2015 foi nomeada titular da Cátedra Simón Bolívar da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Com o regresso da democracia ao seu país, trabalhou como Adida Cultural do Chile no México (1991-1994).

O seu trabalho valeu-lhe inúmeros prémios, como o Prémio José Nuez Martín (1995); o Prémio Manuel Montt (2004); Prémio Ibero-americano José Donoso (2010); Prémio Altazor (2015) pelo seu romance Forças Especiais; Prémio Municipal de Santiago (2017) pela coleção de ensaios Réplicas; o Prémio Internacional de Mérito Literário Andrés Sabella (2018); Prémio Nacional de Literatura do Chile (2018); o Prémio José María Arguedas (2020) e o Prémio Internacional Carlos Fuentes de Criação Literária (2021).

Entre as suas obras, traduzidas para inglês, francês, italiano, português, finlandês e grego, destacam-se “Lumpérica”, “Los vigilantes”, “Nunca atire nunca” e “Sumar”, entre outros romances, livros testemunhais, ensaios e uma antologia. Está editada no Chile, outros países da América Latina e Europa.