Portugal atrai 1,7 mil milhões de investimento estrangeiro

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

Secretário de Estado da Internacionalização revela que o país já tem uma carteira de 62 projetos de investidores externos, previstos para avançar neste ano.

Mais de 1,796 mil milhões é a injeção de investimento estrangeiro previsto para este ano na economia nacional. Se as 62 intenções de investimento acompanhadas pela Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) se concretizarem poderão criar 9871 postos de trabalho. “O pipeline está suficientemente dotado para que possamos ter um bom 2021, ultrapassando esta vaga de covid-19, esperamos ter um segundo semestre mais concretizador, que nos permita obter resultados como em 2019 e 2018”, adianta Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização. Estão previstas 766 ações de promoção em 100 países.

Brilhante Dias fala em “círculo virtuoso da captação de investimento estrangeiro e exportações”, com o agroalimentar a ser dos poucos setores a não ver cair os envios para o mercado externo no ano passado: 5,7 mil milhões de euros até novembro (+0,6%), mais 34,6 milhões de euros do que nos primeiros 11 meses de 2019, com o setor a aumentar o seu peso nas exportações de 10,3% para 11,6%.

Até 2019 foram abertas saídas para 202 produtos no mercado externo. E 2020 “foi um ano de resolver problemas, inevitavelmente com base digital”, diz Brilhante Dias. Foi o ano de desbloquear as exportações dos queijos nacionais para o Brasil e acompanhar o tema da carne de porco para a China.

“Mesmo depois da pandemia tivemos novos 23 projetos fechados pela AICEP, não necessariamente no agroalimentar, mas também centrado nos hubs tecnológicos, produtos farmacêuticos ou setor farmacêutico e saúde”, diz. “Menos positiva” foi a contratualização. “Foi difícil fechar contratos de investimento porque muitas empresas, mantendo as intenções, tentaram reconfigurar ou adiar a decisão. É muito presente em 2020 e esperamos recuperar agora.”

Artigo completo: Dinheiro Vivo