Covid-19: Medidas de contenção tomadas pelos Países da América Latina – consequências na Economia

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,
___________________________________________________________________________________

O novo Coronavírus já atingiu todos os países da América Latina e, à medida que a pandemia se vai espalhando por toda a região, os governos dos países reforçam as medidas de contenção:

3 de março: anúncio do primeiro caso de Covid-19

7 de março: a Argentina foi o primeiro país da América Latina a anunciar uma morte por Covid-19

Medidas do governo

1 de abril: o governo estendeu o encerramento de fronteiras – anunciada inicialmente a 26 de março de portos, aeroportos e fronteiras terrestres – até 12 de abril. A entrada de nacionais e residentes argentinos do exterior será monitorizada e grupos de alto risco entrarão primeiro

29 de março: o governo estendeu a quarentena até 12 de abril, final da semana da Páscoa

19 de março: o governo anunciou quarentena obrigatória de 20 a 31 de março. Durante esse período, todos os argentinos devem permanecer nas suas casas e só podem sair quando necessário para necessidades básicas . 

18 de março: o presidente prometeu construir oito hospitais de emergência para combater o vírus.

17 de março: o governo anunciou mais medidas , como prorrogar as licenças para trabalhadores acima de 65 anos, flexibilizar o teletrabalho para funcionários públicos, sugerindo que o setor privado também o fizesse, e medidas fiscais, como minimizar os impostos individuais e corporativos. 

15 de março: suspensão das aulas de escolas públicas e privadas da pré-escola ao ensino médio e o encerramento das fronteiras até 31 de março. 

12 de março: publicação do “ Decreto de Necessidade e Urgência ”, incluindo o cancelamento de todos os voos da China, Europa, Irão, Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos por 30 dias. 

11 de março: decisão de manter em auto-quarentena após chegada ao país de todos os viajantes da China, Japão, Irão, Coreia do Sul, Estados Unidos e todo o continente europeu. 

Impacto económico 

A paralisação das atividades económicas está a gerar dúvidas sobre os seus efeitos na economia Argentina. A inflação argentina foi de 53,8% em 2019 e vinha mostrando uma leve desaceleração nos primeiros meses deste ano.

Segundo as estimativas, a economia argentina registou retração entre 2,1% e 2,2% em 2019. O governo esperava uma melhora em 2020, mas a volatilidade com os efeitos económicos do coronavírus — que incluem a subida do  dólar e a desvalorização do já enfraquecido peso, a alta do chamado risco-país, termómetro que mede se um país pode pagar as suas dívidas — está a levar o governo a acutelar-se.

6 de abril: é permitido  aos municípios controlar legalmente a concorrência no comércio, incluindo o aumento dos preços dos alimentos para pequenas empresas, a fim de evitar aumentos injustos nos custos.

5 de abril: o governo anunciou planos para adiar pagamentos de até US $ 10 bilhões em dívidas emitidas no final de 2019, para aliviar a pressão sobre a dívida externa pendente. Este decreto não afetará os cerca de US $ 70 bilhões em moeda estrangeira devidos pelas leis internacionais em que o país está a trabalhar para negociar com os credores.

3 de abril: o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que sua consulta anual com a Argentina pode ocorrer remotamente para que o governo avance nas suas renegociações de dívidas. Quatro dias antes, o governo anunciou que as negociações podem ter que esperar, já que a resposta à pandemia tem prioridade.

1 de abril: o governo anunciou que eliminará  os impostos de importações de material médico durante a crise do Covid-19.

Demitir funcionários durante este período sem justa causa ou por cortes é proibido por 60 dias. No mesmo dia, o governo anunciou o Programa Emergencial de Emprego e Assistência à Produção , que inclui adiar ou reduzir até 95% dos pagamentos de empregadores à segurança social, além de um salário compensatório para trabalhadores de empresas com até 100 funcionários que estejam em quarentena obrigatória ou com alto risco para a saúde.

29 de março: o governo anunciou uma suspensão dos despejos para quem não pode pagar o aluguer, bem como um congelamento do aluguer com base nas taxas  de março até 30 de setembro, após o que os aumentos de aluguer seriam pagos em três prestações mensais sem juros.

29 de março: congelamento das taxas de empréstimos hipotecários até 30 de setembro.

25 de março: o Banco Mundial anunciou que vai emprestar à Argentina $ 300 milhões em fundos de emergência, totalizando US $ 165 milhões em 2020 e US $ 135 em 2021.

23 de março: implementação de uma renda de emergência para as famílias de quase US $ 157 para o mês de abril, sujeita a prorrogação. Essa medida visa trabalhadores independentes e informais entre 18 e 65 anos de idade que não conseguem pagar as rendas desde o surto do coronavírus. O governo também anunciou que aumentará os salários em cerca de US $ 470 para trabalhadores médicos nos hospitais públicos e privados como um incentivo para reduzir o aumento de ausências desde o surto viral.

A China é o segundo maior destino de exportação da Argentina e o surto já está a atingir o comércio. Por exemplo, 75% das exportações de carne bovina da Argentina vão para o país asiático e o valor dessas exportações para a China caiu 33,4% de dezembro a janeiro.

26 de fevereiro: anúncio do primeiro caso de Covid-19 da América Latina.

17 de março: anúncio da primeira morte por Covid-19.

Medidas do governo

2 de abril: sete governadores dos estados do sul solicitaram ao presidente recursos federais para compensar perdas na receita tributária , além de propor uma emenda constitucional para renunciar aos limites de gastos e dívidas fiscais por 12 meses. O Ministério da Saúde anunciou que havia certificado 5 milhões de pessoas para ingressar na categoria de profissionais de saúde em resposta à pandemia.

1 de abril: o Congresso reduziu o prazo para votação das medidas provisórias relacionadas com a pandemia de 120 para 16 dias.

31 de março: o Presidente pede um “pacto nacional” para salvar vidas e proteger empregos no combate ao “maior desafio de nossa geração”.

30 de março: o Ministério da Saúde distribuiu 40 milhões de unidades de equipamentos de proteção ao pessoal de saúde em todo o país. O governo também começou a distribuir 500.000 kits de testes para os estados.

27 de março: o governo anunciou o encerramento das fronteiras  aéreas a todos os estrangeiros por 30 dias. Os governadores e perfeitos indemnizarão os trabalhadores afetados pelo encerramento dos negócios.

24 de março: o governo anuncia o lançamento de um plano  que distribuirá 2,3 milhões de kits de teste para estados em todo o Brasil. O Ministério também planeia importar mais de 1 milhão de testes rápidos dos Estados Unidos em abril.

20 de março: o Senado brasileiro aprovou a chamada medida de estado de calamidade, no qual fundos federais adicionais podem ser usados ​​para combater a pandemia. Uma comissão recém formada de deputados e senadores reunir-se-á a cada dois meses com o ministro da Economia para monitorar a situação.

19 de março: o governo restringiu a entrada de estrangeiros em todas as fronteiras terrestres – excluindo residentes permanentes, diplomatas ou funcionários de organizações internacionais – por 15 dias. 

12 de março: o Ministério da Saúde abriu 5.000 vagas para médicos através do programa Mais Médicos e anunciou a criação de 2.000 novos leitos de UTI.

O Ministério recomenda que as pessoas com sintomas ou que tenham entrado em contacto com casos confirmados estejam em quarentena por 14 dias.

Impacto económico 

Paulo Guedes, Ministro da Economia: “A retoma da economia brasileira após o impacto provocado pelo coronavírus será através da aceleração de reformas estruturantes e da redução de encargos trabalhistas.” 

Para o Ministro da Economia, as reformas necessárias para o desenvolvimento da economia ficaram em segundo plano devido à emergência da saúde, mas o ministro frisou que essas medidas precisam de ser retomadas assim que possível, para que o país possa deixar para trás os problemas económicos decorrentes da pandemia.

O mercado de ações brasileiro caiu 7% com as notícias do primeiro caso, representando a maior depreciação desde maio de 2017. O Banco Central anunciou as suas projeções de crescimento revistas em 6 de abril para -1,18%, abaixo dos 0% anteriores em 26 de março. 

Em 3 de abril, o real desvalorizou 1,15% , atingindo uma baixa recorde de R $ 5,32 por dólar.

4 de abril: o ministro da Economia anunciou o avanço das férias de 2020 – para que a atividade económica se recupere mais rapidamente quando a quarentena for levantada.

3 de abril: o governo libertou cerca de US $ 1,8 bilhão para apoiar a saúde pública, acrescentando cerca de US $ 2,7 bilhões a mais ao orçamento da saúde destinado exclusivamente à pandemia.

1 de abril: o governo anunciou uma medida destinada a reduzir as perdas de empregos, permitindo que as empresas reduzam os salários dos trabalhadores por três meses ou os suspendam por dois meses, e o governo subsidiará os afetados proporcionalmente aos benefícios de desemprego que podem reivindicar. O programa de emprego custará ao governo aproximadamente US $ 17,5 bilhões.

1 de abril: o governo anuncia que precisa de 15 dias para implementar o plano de renda universal de emergência  para as pessoas economicamente mais vulneráveis, que foi aprovado pelo Senado em 30 de março e assinado pelo presidente em 31 de março. E a 26 de março a Câmara do Deputados aprovou a transferência de US $ 117 mensais para pessoas que aguardam pagamentos da previdência social, como idosos, trabalhadores informais e pessoas com deficiência.

30 de março: o banco de desenvolvimento BNDES anunciou US $ 388 milhões em crédito ao setor de saúde para ajudar a aumentar o número de camas de UTI e equipamentos médicos.

A 27 de março, o governo federal anunciou que pagará o equivalente a dois salários mensais aos trabalhadores das pequenas e médias empresas. As empresas precisam de ter ganhos anuais entre US $ 70.500 e US $ 1,9 milhão para receber os fundos. Os salários pagos não excederão o salário mínimo.

26 de março: o Ministério da Saúde estimou que a pandemia custaria ao sistema de saúde pouco menos de US $ 2 bilhões, e o governo pediu ao Banco Mundial um empréstimo de US $ 100 bilhões.

25 de março: o Ministério da Saúde anunciou a libertação de aproximadamente US $ 119 milhões para serem distribuídos aos estados.

16 de março:, anúncio de uma medida de estímulo  com um pacote de mais de US $ 29 bilhões para acelerar pagamentos de assistência social, adiar impostos corporativos e facilitar o acesso dos trabalhadores a verbas rescisórias.

11 de março: o governo federal do Brasil concordou em transferir cerca de US $ 1 bilhão para o Ministério da Saúde. O Ministério determinou que cerca de US $ 185 milhões serão transferidos para estados e municípios para cobrir horas extras em unidades públicas de saúde, distribuídas de acordo com a população do estado.

O mercado de ações brasileiro caiu 7% com as notícias do primeiro caso, representando a maior depreciação desde maio de 2017. O Banco Central anunciou as suas projeções de crescimento revistas em 6 de abril para -1,18%, abaixo dos 0% anteriores em 26 de março. Em 3 de abril, o real desvalorizou 1,15%, atingindo uma baixa recorde de R $ 5,32 por dólar.

3 de março: anúncio do primeiro caso de Covid-19.

21 de março: anúncio da primeira morte por Covid-19.

Medidas do governo

2 de abril: o Ministério da Saúde anunciou que os postos de controlo obrigatórios de quarentena e saúde seriam estabelecidos em 950 instalações de enfermagem sénior.

31 de março: a subsecretária de Saúde Pública anunciou que o bloqueio continuará por seis municípios em Santiago por mais sete dias. A quarentena da ilha de Rapa Nui continuará por mais duas semanas.

25 de março: o governo declarou uma quarentena de sete dias, sujeita a renovação, para sete municípios fortemente afetados a partir de 26 de março às 22 horas. Também criará postos de saúde em Santiago para aplicar as regras de quarentena.

25 de março: o governo anunciou que as escolas permanecerão fechadas após o período de duas semanas anunciado a 16 de março e até 24 de abril.

24 de março: o presidente anunciou uma nova lei que regula e facilita o teletrabalho, incluindo requisitos obrigatórios que estipulam trabalho versus tempo pessoal. Além disso, o governo estabeleceu um custo máximo de US $ 30 para o teste COVID-19 nas unidades de saúde privadas.

No mesmo dia foi anunciado um toque de recolher das 14h às 5h na Ilha de Páscoa, depois de confirmar um primeiro caso no território.

22 de março: o governo anunciou que implementaria um toque de recolher das 22h às 05h, começando na mesma noite.

18 de março:  foi declarado o estado de emergência em todo o país a  partir de 19 de março por 90 dias, seguindo o Plano de Ação do governo . Isso inclui a proibição de reuniões em espaços públicos, o controlo da distribuição de necessidades básicas, o estabelecimento de uma quarentena, o toque de recolher e a limitação do movimento de pessoas nas cidades e no país, tudo com a ajuda das Forças Armadas.

16 de março: o país entrou na fase mais complexa de risco (fase 4), foram fechadas todas as fronteiras a partir de 18 de março, permitindo que apenas cidadãos chilenos entrassem novamente no país com uma quarentena obrigatória de duas semanas.

14 de março: o país expandiu a lista de países dos quais os viajantes que chegavam seriam colocados em quarentena para incluir China, França, Alemanha, Irão, Japão e Coreia do Sul. 

Impacto económico 

Como consequência do coronavírus, o Banco Central do Chile reduziu as  suas estimativas para o crescimento económico de 2020 para o intervalo entre -1,5% e -2,5%, ante 0,5% a 1,5% previsto em dezembro. 

O Banco Central projetou um preço de cobre de 2,15 dólares por libra-peso num relatório económico trimestral que apontou que o cenário “se deteriorou drasticamente” desde fevereiro, com a chegada do coronavírus.

As projeções do banco relacionam-se com o decréscimo da economia a nível global provocada pelo novo coronavírus, iniciado na China, principal mercado do Chile para suas exportações de cobre.

1 de abril: o ministro da saúde concordou com as empresas privadas de seguro de saúde em adiar qualquer aumento nos custos do plano de seguro.

1 de abril: anúncio da nova lei de proteção ao emprego depois de o Congresso a ter aprovado em 31 de março. O plano assegura empregos para mais de 4,7 milhões de trabalhadores como parte do pacote económico do governo de aproximadamente US $ 12 milhões.

1 de abril: o Banco Central anunciou que o PIB contrairá entre 1,5 e 2,5% em 2020, abaixo da projeção de dezembro de 2019 entre 0,5 e 1,5%.

28 de março: o governo aprovou o novo COVID-19 Bond , que faz parte de um plano económico que permite às famílias de baixo rendimento adiar o pagamento da dívida sem que as concessionárias sejam cortadas, fornecendo US $ 60 por dependente a cada uma dessas famílias e aprovando a proteção no emprego legislação para quem não pode trabalhar durante a quarentena.

27 de março: o governo anunciou o alívio económico para pequenas e médias empresas suspendendo impostos de selo – impostos em documentos que mostram operações de empréstimo de dinheiro – por seis meses e estendendo uma linha de crédito ao banco público no valor de US $ 500 milhões para empréstimos de emergência.

23 de março: o governo anunciou que adiaria uma emissão de bónus em 2020 de até US $ 8,7 bilhões em 2020 para ajudar a financiar o pacote de emergência anunciado anteriormente para proteger empregos face à crise do coronavírus.

O presidente anunciou um plano de ajuda económica de US $ 11,7 bilhões, usando uma cláusula constitucional especial para libertar fundos sem a aprovação do Congresso. Este pacote será equivalente a cerca de 4,7% do PIB anual.

Como consequência do coronavírus, o Banco Central do Chile reduziu as  suas estimativas para o crescimento económico de 2020 para o intervalo entre -1,5% e -2,5%, ante 0,5% a 1,5% previsto em dezembro.

6 de março: anúncio do  primeiro caso de Covid-19.

21 março, anúncio da primeira morte por Covid-19.

Medidas do governo

Em entrevista ao El Tiempo publicada em 6 de abril, o Presidente disse que, após a quarentena nacional inicial terminar a 13 de abril, gostaria de aplicar o “isolamento preventivo inteligente” e começar a reabrir o país na medida em que for capaz de manter-se  no topo da propagação da pandemia. Embora não tenha dito exatamente quais as medidas que seriam levantadas, afirmou que nesta próxima fase os adultos mais velhos se isolariam por mais tempo do que os jovens e que as escolas e estabelecimentos sociais permaneceriam fechados.

20 de março: o presidente anunciou que, a partir da noite de 24 de março, o país iniciará uma quarentena nacional que durará até 13 de abril. Os voos comerciais internacionais de entrada são suspensos a partir de 23 de março por 30 dias, e os cidadãos colombianos que viajam para o exterior são aconselhados a regressar na noite de 22 de março.

17 de março: é declarado o estado de emergência e anunciado que as  pessoas com 70 anos ou mais são obrigadas a ficar em casa e a isolarem-se até maio.

16 de março: encerramento de todas as fronteiras e portos da Colômbia de 17 de março à meia-noite a 30 de maio, com apenas alguns embarques de importação permitidos. A medida aplica -se igualmente a cidadãos e a estrangeiros. Dentro das fronteiras do país, é determinado o encerramento de todos os bares e espaços de vida noturna e reuniões sociais com mais de 50 pessoas.

15 de março: é determinado que a partir de 16 de março, as escolas colombianas suspenderiam as aulas presenciais até 20 de abril e farão a transição dos alunos para o ensino on-line. A entrada no país para todos os estrangeiros e não residentes será restrita e todos os nacionais e residentes permanentes que chegarem ao país deverão entrar em auto-quarentena por 14 dias após o retorno.

13 de março: intensificação das  medidas de prevenção, incluindo o encerramento da fronteira com a Venezuela a partir das 5 horas da manhã de 14 de março. Entre 20.000 e 50.000 pessoas atravessam a fronteira colombiano-venezuelana por dia, muitas das quais venezuelanas em busca de alimentos básicos, medicamentos e tratamento.

Impacto económico 

À medida que a incerteza crescia, a moeda nacional entrava em águas voláteis. O preço do dólar em relação ao peso ultrapassou 4.000 sendo agora a desvalorização acumulada no ano de 27%. Assim, o crescimento da economia projetada pelo governo no inicio do ano de 3,7% não será alcançada.

Para cada dólar em que o preço do petróleo cai em média por ano, o país deixa de receber 350 e 400 bilhões de pesos.

27 de março: a S&P rebaixou o rating de crédito da Colômbia de estável para negativo, alertando para o facto de o país poder perder o seu estatuto de grau de investimento nos próximos 12 a 18 meses.

24 março:  anúncio de um novo conjunto de medidas económicas quando a quarentena nacional entrou em vigor, incluindo desembolsos de cerca de US $ 40 a 3 milhões de famílias de baixo rendimento, implementação virtual de cerca de 2.500 profissionais de saúde mental, distribuição de 23 toneladas de alimentos e 96 milhões de litros de água para populações vulneráveis ​​e facilitando algumas condições para o pagamento de empréstimos a estudantes.

Anúncio de uma série de medidas de alívio económico, incluindo restituições aceleradas de impostos, eliminação de impostos de importação de bens e tecnologia médica, restabelecimento de serviços de água, período de carência para pagamentos de hipotecas e empréstimos para pequenas e médias empresas.

11 março: anúncio do primeiro caso de Covid-19.

18 março: anúncio da primeira morte por Covid-19.

Medidas do governo

1 de abril: o governo suspendeu a parada do dia 1 de maio deste ano e anunciou que os preços dos dados de telemóveis e uso de voz seriam mais baixos pela manhã. As tarifas para chamadas de longa distância nacionais também serão reduzidas em 25% entre as 6h e as 17h59 e em 50% entre as 18h e as 17h59. O governo também adicionará 10 horas ao serviço de internet em casa para o mês de abril.

31 de março:, o governo anunciou a suspensão de todos os voos comerciais e charter para a ilha a partir de 2 de abril, proibindo também todo o tráfego marítimo estrangeiro nas águas cubanas.

24 de março: estrangeiros e cubanos que moram no exterior não podem entrar na ilha, e os residentes cubanos que regressam devem ficar em quarentena por duas semanas.

23 de março: anúncio do encerramento das escolas até 20 de abril, sujeito a extensão. O governo também suspendeu as viagens entre ilhas e o turismo é oficialmente fechado indefinidamente.

21 de março: o governo cubano anunciou que enviaria uma brigada de 52 médicos para a Itália para apoiar os esforços para conter o vírus no país.

16 de março: o Ministério da Saúde de Cuba anunciou que permitirá que o navio de cruzeiro britânico MS Braemar atraque , após uma solicitação do Reino Unido. O navio tem vários passageiros infetados confirmados. O governo cubano prestará atenção médica a todos os que estão a bordo e coordenará o repatriamento por via aérea.

14 de março: o governo cubano anunciou que permaneceria aberto aos visitantes , dizendo que aqueles que chegassem seriam bem-vindos.

Impacto económico

26 de março: o governo anunciou a suspensão temporária de mais de 16.000 licenças de trabalho para empreendedores, incluindo proprietários, trabalhadores contratados, trabalhadores de restaurantes e artesãos.

O governo cubano alistou a indústria têxtil do país para fabricar máscaras de pano, enquanto exorta a população a fazer máscaras laváveis ​​em casa usando tecidos à mão. Os funcionários também aumentaram as medidas de controlo e vigilância nos pontos de entrada.

9 de março: o ministro da Saúde Pública de Cuba anunciou que o governo alocaria recursos para combater a escassez de remédios e equipamentos médicos no país, caso o vírus comece a espalhar-se localmente.

28 fevereiro: anúncio do primeiro caso de Covid-19.

18 março: anúncio da primeira morte por Covid-19.

Medidas do governo

30 de março: foi declarada uma emergência nacional de saúde . Foram anunciadas uma série de medidas a serem seguidas até 30 de abril, incluindo a suspensão de todas as atividades não essenciais, nenhuma reunião de mais de 50 pessoas no caso de setores essenciais e uma quarentena rigorosa para pessoas com mais de 60 anos e populações em risco de saúde. As escolas também permanecerão fechadas até o final de abril.

As empresas que evitem pagar aos trabalhadores ou desafiem as regras podem enfrentar sanções. Com quase 50% da população a viver na pobreza e uma parcela significativa dos mexicanos empregados no setor informal, persistem as  preocupações sobre se as pessoas se auto-colocam em quarentena.

25 de março: o governo federal interrompeu todas as operações não essenciais.

24 de março: o governo declarou que o país entrava  na fase dois  da epidemia após a OMS no dia anterior a categorizar entre os países com transmissão comunitária. O governo disse que suspenderá todas as reuniões públicas e privadas de 100 pessoas ou mais  no próximo mês. Além disso, o Ministério das Finanças fornecerá aproximadamente US $ 180 milhões ao Ministério da Defesa e Marinha para medidas como expansão da capacidade de hospitalização, coordenação com estados e municípios e mobilização de milhares de profissionais de saúde para combater o vírus.

20 de março: os governos dos EUA e do México anunciaram a restrição das viagens não essenciais a partir de 22 de março, embora o comércio continue.

14 de março: anúncio do encerramento das escolas de 20 de março a 20 de abril.

López-Gatell disse que, de 23 de março a 19 de abril, o país entraria num período de “distância segura” em que as pessoas deveriam trabalhar remotamente, e que eventos de 5.000 pessoas ou mais devem ser suspensos.

Impacto económico

Os analistas prevêem uma contração do PIB de 3,99% para o país. A 2 de abril, o Bank of America previa uma contração de 8% . A 26 de março, a S&P Global Ratings rebaixou seu rating de crédito para o México e Pemex e o JPMorgan ajustou sua previsão de crescimento, dizendo que a economia mexicana se contrairá 7% em 2020. A 17 de março, o Credit Suisse mudou a sua previsão para uma contração do PIB de 4% no ano, abaixo do crescimento de 0,7%. A economia do México contraiu 6,6% durante a crise económica de 2009.

A Banca do México cortou a sua taxa básica de juros em 50 pontos base, para 6,50%.

3 de abril: Os recursos serão redirecionados até 15 de abril para o Tesouro Federal. Os 281 fundos públicos cancelados representam mais de US $ 10 bilhões, que, segundo o presidente, serão usados ​​para programas sociais, recuperação económica e empréstimos de crédito, apoio à empresa estatal de petróleo Pemex e pagamentos de dívidas públicas. Algumas relações de confiança usadas para fins de emergência, a serem decididas pelo Ministério das Finanças, serão isentas e exigirão mudanças legais.

2 de abril: o presidente e os líderes empresariais chegaram a um acordo para garantir os salários dos trabalhadores durante o mês de abril. A 5 de abril seriam anunciadas medidas para proteger as pequenas e médias empresas.

31 de março: foi confirmado  que a emergência sanitária declarada um dia antes exigia o encerramento das praias do México . O turismo é responsável por 8,7% do PIB total do México.

24 de março: anúncio de planos para conceder 1 milhão de empréstimos a juros baixos ou a juros baixos a pequenas empresas para apoiá-los durante a crise.

23 de março: o presidente disse que as empresas não deveriam esperar por resgates ou incentivos fiscais.

18 março: os idosos recebem adiantamentos nos seus próximos depósitos de pensão, recebendo dois pagamentos em vez de um.

9 de março: anúncio do primeiro caso confirmado por Covid-19.

10 de março: anúncio da primira morte por Covid-19. O Panamá torna-se o segundo país da América Latina e o primeiro América Central a confirmar uma morte por coronavírus.

Medidas do governo

30 de março: o presidente  anuncia que o governo limitaria ainda mais o movimento dentro do país, designando segundas, quartas e sextas-feiras como dias para as mulheres circularem enquanto os homens possam sair às terças, quintas e sábados. Todos devem permanecer em casa aos domingos.

28 de março: a Autoridade do Canal do Panamá (ACP) permitiu a passagem de dois navios de cruzeiro Holland America, com destino à Flórida, “sob condições extraordinárias e por razões humanitárias”, depois de declarar anteriormente que não permitiria a passagem de um dos navios devido a resultados positivos. casos a bordo. A decisão foi tomada depois que o ACP anunciou em 25 de março que os navios que tentavam atravessar o Canal precisavam atender a vários requisitos de segurança, incluindo que todos a bordo de cada navio estivessem saudáveis.

25 de março: as forças armadas do país fecharam todos os pontos de entrada não oficiais na fronteira sul da Nicarágua com a Costa Rica.  A medida seguiu uma reunião de 21 de março entre autoridades da Costa Rica e da Nicarágua, na qual os dois países concordaram em colaborar na partilha de informações sobre saúde, mas não se comprometeram a fechar sua fronteira partilhada.

24 de março: anúncio de que a quarentena nacional começaria às 5h01 do dia 25 de março. Os cidadãos poderão deixar suas casas para comprar remédios ou alimentos de acordo com o último dígito no bilhete de identidade nacional ou no estrangeiro Passaporte.

23 de março: o governo instituiu um toque de recolher a partir de 24 de março, que durará todas as noites das 17:00 às 05:00, expandindo um toque de recolher anterior anunciado em 19 de março, das 21h00 às 05h00.

19 de março: o governo anunciou que todos os voos internacionais de entrada serão suspensos a partir de 22 de março por 30 dias.

16 de março: somente nacionais e estrangeiros poderão entrar , com quarentena obrigatória por 14 dias e os espaços públicos, como discotecas, bares e casinos serão encerrados, e  todas as lojas que cercam supermercados, farmácias e centros médicos.

14 de março: voos da Ásia foram suspensos.

13 de março: o país suspendeu eventos de mais de 50 pessoas e já tinha proibido voos chegando da Europa.

12 de março: anúncio do estado de emergência. O governo anunciou novas medidas preventivas após a primeira morte do país, incluindo a suspensão de aulas de escolas públicas e privadas na região central e norte do Panamá até 7 de abril.

Impacto económico

Para o Panamá a China ocupa a segunda origem das suas importações, aproximadamente US$1.300 milhões (2019) o que apresenta 10% das importações do país. O primeiro lugar é ocupado pelos Estados Unidos com US$3,9 bilhões  (30% das importações do Panamá).

Por outro lado, a Zona Franca de Colon importa cerca de US$6 bilhões da Ásia. Assim, considerando que 98% das empresas são pequenas e médias empresas, elas não resistirão a um mês de paralisia, e é possível que 65% vão à falência com o risco de escassez de produtos.

Dado que 6% do comércio global passa pelo Canal, analistas financeiros alertam para o facto de o Panamá vir a sentir o impacto à medida que o vírus continuar a afetar o comércio.

25 de março: o governo anunciou  que os bancos adiariam pagamentos de hipotecas e empréstimos até 31 de dezembro e, em 24 de março, disse que as pessoas que perderam os seus empregos não pagarão serviços públicos ou enfrentarão cortes na Internet pelos próximos três meses.

23 de março: o autarca da Cidade do Panamá anunciou que cada um dos 23 conselhos comunitários da capital receberá US $ 25.000 em fundos de emergência.

Dado que 6% do comércio global passa pelo Canal, analistas financeiros alertam que o Panamá sentirá o impacto à medida que o vírus continuar a afetar o comércio.

7 de março: primeiro caso confirmado por Covid-19.

20 de março: primeira morte confirmada por Covid-19.

Medidas do governo

2 de abril: o governo anunciou um plano para aumentar a produção agrícola , incluindo uma linha de crédito para produtores agrícolas de aproximadamente US $ 18 milhões, com juros de 8%, 50.000 kits para iniciar novos pomares e apoio para aumentar o número de fazendas em todo o país para 100.000.

31 de março: o governo anunciou o encerramento da capital Assunção para a semana da Páscoa , período em que ninguém poderá entrar ou sair da cidade de carro e haverá um controlo rígido da circulação de pessoas. 

28 de março: o governo anunciou que estenderia a quarentena nacional até 12 de abril, período em que os paraguaios só podem sair de casa para obter alimentos ou remédios.

25 de março: o governo anunciou o programa Ñangareko , envolvendo transferências de dinheiro para alimentos e produtos de higiene para aproximadamente 33.000 famílias cuja renda foi afetada pela quarentena.

24 de março: suspensão de todos os voos tanto comerciais como privados no país até 12 de abril.

17 de março: anúncio do toque de recolher obrigatório entre as 20h e as 4h até 24 de março.

16 de março: a presidência declarou uma emergência de saúde em todo o país, de acordo com o Decreto 3456. Também em 16 de março, o Ministério da Saúde do Paraguai anunciou que apenas 30% dos pontos de passagem de fronteira estarão operacionais nos próximos 15 dias para reduzir a entrada no país, e proibirá a entrada de não cidadãos pelo mesmo período de tempo. Quem entra deve permanecer em quarentena durante duas semanas.

10 de março: o governo anunciou que suspenderá eventos públicos ou grandes reuniões , como espetáculos e aulas nas escolas, por pelo menos 15 dias.

9 de março: o Hospital das Clínicas do Paraguai, um centro de pesquisa da Universidade Nacional de Assunção, localizado na capital, começou a preparar um bloco especial dentro do hospital para lidar com casos de coronavírus.

Impacto económico

O Ministro das Finanças explicou que as medidas propostas na lei de contingência para fazer face ao Covid-19 trarão consequências económicas para o Paraguai por 15 anos.

O Projeto de emergência propõe uma linha de crédito de até US $ 1,6 bilhão através de organizações multilaterais que serão usadas para sustentar o funcionamento do Estado por 3 meses. 

O Projeto inclui também créditos para as MPME e extensão de pagamentos de serviços básicos.

31 de março: o Ministério da Saúde anunciou que disponibilizará US $ 100 milhões para equipamentos médicos e camas de UTI, como parte de um pacote de emergência de US $ 500 milhões.

30 de março: o presidente  anunciou uma redução nos salários do estado para economizar aproximadamente US $ 52 milhões. A medida decreta que nenhum salário oficial deve exceder US $ 5.635 por mês – o salário presidencial.

26 de março: o governo anunciou uma lei de emergência em saúde que permite a alocação de até US $ 1,6 bilhão em empréstimos de organizações internacionais. Desse montante, o governo investirá US $ 514 milhões em serviços públicos de saúde e US $ 408 milhões em proteção ao emprego.

24 de março: o governo gastará US $ 800.000 para construir dois novos hospitais, adicionando 200 camas à capacidade do país.

13 de março: anúncio da alocação de aproximadamente US $ 81 milhões para medidas de saúde e uma redução nas taxas de juros reduzidas de 4% para 3,75%.

6 de março: anúncio do  primeiro caso por Covid-19.

19 de março: anúncio das 4 primeiras mortes por Covid-19

Medidas do governo

2 de abril: o presidente anunciou que o Peru instituiria um sistema de quarentena com base no género, no qual as mulheres serão autorizadas a sair às terças, quintas e sábados, enquanto as segundas, quartas e sextas-feiras serão reservadas para a circulação de homens. Todos devem ficar em casa aos domingos. A divisão, que ocorrerá até 12 de abril, é semelhante a uma medida anunciada no Panamá.

25 de março: o estado de emergência e a quarentena nacional foram estendidos por por mais 13 dias, até 12 de abril.

21 de março: cerca de 8.000 pessoas foram presas por violar o toque de recolher e as medidas de restrição de movimento.

19 de março:  o governo comprou 1,4 milhão de kits de teste rápido de coronavírus.

Anúncio de um toque de recolher em todo o país das 20h às 5h e proibição de circulação de  todos os veículos particulares.  As medidas entram em vigor em 19 de março . Além disso, cerca de 3 milhões de famílias de baixa renda receberão pagamentos de cerca de US $ 100  destinados a cobrir duas semanas de bens básicos, que as pessoas poderão comprar a 19 de março.

15 de março: declaração do estado de emergência nacional, com a duração de 15 dias, que impõe rígidos controlos sobre o movimento de pessoas dentro do país. O decreto exige que todas as fronteiras do Peru sejam fechadas a partir das 23h59 do dia 16 de março, bem como a proibição de viagens domésticas entre as 196 províncias do Peru. Os peruanos devem permanecer nas suas casas, a menos que precisem comprar alimentos ou remédios. Trabalhadores em vários setores críticos, no entanto, como saúde, finanças, comunicação e supermercados, podem sair.

11 de março: o governo ordenou que viajantes vindos da China, França, Itália e Espanha ficassem em quarentena em casa por 14 dias. As aulas foram suspensas até 30 de março.

Impacto económico

Um plano sem precedentes para uma crise sem precedentes. O governo do Peru está a preparar o maior plano económico da América Latina para mitigar o impacto da crise pelo Covid 19. Serão mais de US$25 bilhões, o equivalente a 12% do PIB do país.

O Peru possui cerca de US$68 bilhões em reservas no Banco Central e uma dívida publica de 27% do BIB, uma das mais baixas da América Latina, possuindo também uma baixa inflação sendo a sua moeda, o sol, uma das menos voláteis da região, por isso os ativos permitem enfrentar a crise.

30 março:, o governo anuncia que os peruanos  que fizeram contribuições para fundos de aposentadoria privados poderão fazer levantamentos sem penalizações, de cerca de US $ 300 em abril e maio. Esta medida permitirirá até 3,7% de todos o dinheiro atualmente retido em fundos privados a ser retirado, vale cerca de US $ 1,5 bilhão; o Congresso peruano está a considerar uma proposta de libertar até 25%, ou cerca de US $ 11 bilhões. Enquanto isso, o Banco Central e o Ministério da Economia do Peru apresentaram uma proposta de injetar US $ 30 bilhões em empresas locais, uma quantia equivalente a aproximadamente 14% do PIB anual, ao gabinete do presidente para revisão.

A emergência nacional de 15 de março encerrou Machu Picchu, onde os administradores esperam perdas económicas de até US $ 100 milhões devido ao encerramento de duas semanas , com alguns dos 2.500 turistas atualmente presos em Cusco exigindo reembolso.

A China é o principal parceiro comercial do Peru, com 30% das suas exportações destinadas ao país asiático. Goldman Sachs diz que o Peru, juntamente com o Chile, é considerado a economia mais exposta da América Latina devido ao coronavírus.

1 de março: primeiro caso confirmado de Covid-19.

16 de março: primeira morte confirmada de Covid-19.

Medidas do governo

2 de abril: o governo estendeu o toque de recolher das 17h às 18h, anunciado em 26 de março por mais 15 dias, a partir de 3 de abril, e anunciou que todas as viagens ao interior seriam proibidas.

20 de março: foi decretado um toque de recolher em todo o país entre as 20h e as 6h da manhã até 3 de abril. Pessoal médico, jornalistas e pessoas com emergências médicas estão isentos do toque de recolher.

17 março: declaração do estado nacional de emergência em todo que entrou em vigor em 19 de março. Sob a declaração de estado de emergência.

Encerramento de todas as suas fronteiras pelos próximos 15 dias e a suspensão da maioria das atividades comerciais e culturais. Mercearias, postos de gasolina, farmácias e mercados permanecerão abertos.

16 de março: até ao final do mês, todos os voos da Europa, China e Irão foram suspensos . Antes do primeiro caso ser oficialmente confirmado, a 28 de fevereiro, as autoridades dominicanas tinham ordenado a suspensão de todos os voos originários de Milão pelos próximos 30 dias. O ministro da Saúde  acrescentou que todos os viajantes vindos da Itália, independentemente das suas nacionalidades, serão submetidos a testes epidemiológicos na chegada aos aeroportos dominicanos. 

Impacto económico

A economia Dominicana tem uma forte ligação com a do resto do mundo, tanto através das suas exportações de bens quanto do turismo, investimento estrangeiro direto, investimento de portofólio e remessas. Cada um desses setores é gerador de divisas, e é por isso que eles são fortes apoios às reservas internacionais e, dessa forma, à estabilidade cambial.

26 de março: o Banco Central aprovou cerca de US $ 1,5 bilhão para os bancos disponibilizarem para clientes e US $ 622,4 milhões em crédito para indústrias de exportação.

25 de março: anúncio de um pacote económico no valor de US $ 591.200 para aliviar as perdas salariais e a insegurança alimentar. As medidas incluem uma moratória de três meses sobre pagamentos mínimos mensais em cartões de crédito e renúncias a taxas atrasadas. De 1º de abril a 31 de maio, as 811.000 famílias já inscritas no programa de assistencia social do país Tarjeta de Solidaridad receberão um pagamento mensal que varia de US $ 27 a US $ 130 para alimentos e produtos de primeiros socorros. O presidente acrescentou que 690.000 outras famílias fora do programa de assistência social também receberão essa assistência.

18 de março: o Banco Central do país anunciou um pacote de estímulo para residências, pequenas empresas e os setores de turismo e exportação.

13 de março: primeiros 4 casos confirmados por Covid-19.

28 março: primeira morte confirmada por Covid-19.

Medidas do governo

2 de abril: o governo anunciou que as escolas e as universidades são suspensas por tempo indeterminado, após um encerramento inicial até 13 de abril.

Também a 2 de abril a Suprema Corte anunciou que uma suspensão na maioria dos casos que originalmente deveria expirar em 3 de abril será prorrogada por mais 30 dias. Apenas os casos mais urgentes estão a decorrer durante esse período, e os escritórios estão abertos à atenção do público por um número limitado de horas por dia.

30 de março: o ministro do Interior anunciou que a polícia será colocada nas estradas nacionais a partir de 31 de março para garantir que as pessoas não viajam para fins não essenciais.

28 de março: o governo anunciou medidas para impedir o aumento da violência de género durante o distanciamento social, incluindo uma campanha de consciencialização na imprensa social e popular, uma linha direta para emergências e um protocolo criado junto ao Ministério da Saúde para que os funcionários detetem possíveis casos de violência doméstica.

7 de março: o Ministério do Desenvolvimento Social anunciou que distribuirá cestas básicas para cerca de 157.000 trabalhadores informais e aqueles sem segurança social em abril e maio.

22 de março: Uruguai e Brasil concordaram em fechar as suas fronteiras partilhadas por 30 dias para todos os estrangeiros que entram no Brasil, e a medida está sujeita a extensão.

18 de março: o governo anunciou o encerramento de grandes espaços comerciais.

O presidente  anunciou que a fronteira com a Argentina seria fechada a partir da meia-noite de 17 de março. A decisão foi tomada em uníssono com o presidente argentino.

As aulas em todas as escolas públicas e privadas são suspensas até pelo menos a Páscoa, 12 de abril.

15 de março: novas medidas para impedir a propagação do vírus, incluindo a suspensão de voos dos Estados Unidos na American Airlines a partir de 18 de março, proibindo todos os voos da Europa.

Ao confirmar os primeiros casos, o governo anunciou uma emergência de saúde, incluindo o encerramento parcial de fronteiras, quarentena obrigatória de pacientes provenientes de países em risco (China, França, Alemanha, Irão, Japão, Singapura, Coreia do Sul e Espanha) , proibição para cruzeiros, e suspensão de grandes eventos públicos.

Impacto económico

4 de abril: o governo – juntamente com o Banco Central e a empresa de telecomunicações Antel – anunciou a implementação de um plano alimentar no qual os mais vulneráveis ​​economicamente podem aceder a um bónus de gastos de US $ 27 através de um aplicativo de telefone.

2 de abril: o governo anunciou medidas que incluem um subsídio de US $ 154 a trabalhadores independentes por dois meses e a decisão de estender até 31 de Maio os benefícios de desemprego no valor de 25% dos salários mensais. Além disso, o Banco Central e a Agência Nacional de Auditoria Interna decidiu a flexibilizarão do crédito para pagamentos de empréstimos para quem não pode pagar, e o Banco Hipotecário do Uruguai atrasará os prazos de pagamento da dívida.

1 de abril: o Senado aprovou o Fundo de Solidariedade COVID-19 , composto por empréstimos de instituições financeiras nacionais e internacionais, para cobrir os desembolsos do governo durante a emergência de saúde.

26 de março: o governo declarou a criação de um Fundo de Coronavírus, extraído dos salários de funcionários públicos que ganham mais de 1.800 dólares mensais,  juntamente com ministros e legisladores que também darão 20% dos seus próprios salários. As contribuições serão periódicas por dois meses e a medida está sujeita a extensão.

24 de março: o governo anunciou que desembolsará fundos para 55.000 trabalhadores com mais de 65 anos nos setores público e privado, como forma de garantir que eles fiquem em casa.

19 de março: o governo anunciou que o Ministério do Desenvolvimento Social receberia US $ 22 milhões para reforçar os programas sociais, como a construção de centros de refúgio e o aumento de salários no Social Uruguay Card, um recurso financiado pelo governo para os mais desfavorecidos para aceder alimentos e produtos básicos.

19 de março: o Banco Central do Uruguai fornecerá linhas de crédito para empresas de cerca de US $ 50 milhões, enquanto trabalha com organizações multilaterais para aumentar esse montante para US $ 125 milhões.

13 de março: dois primeiros casos confirmados de Covid-19.

26 de março: primeira morte confirmada por Covid-19.

Medidas do governo

A ONU estima que a Venezuela exija US $ 61 milhões em financiamento para combater a pandemia internamente. A 3 de abril, Guaidó anunciou que os Estados Unidos doarão US $ 9 milhões para a causa por meio de organizações multilaterais no país.

31 de março: Washington apresenta um Quadro de Transição Democrática para a Venezuela a Nicolás Maduro. O objetivo do plano é “ajudar os venezuelanos a escapar da crise nacional que a queda dos preços do petróleo e os coronavírus já aprofundou “, escreveu o enviado especial norte-americano Elliott Abrams no Wall Street Journal.

Entre outras coisas, o plano pede que os poderes da Assembleia Nacional sejam restaurados e que novos membros sejam instalados no Supremo Tribunal e no Conselho Nacional Eleitoral para preparar o caminho para eleições presidenciais livres e justas.

30 de março: Guaidó anunciou  a criação de um Conselho de Estado multipartidário para servir como um governo de transição que pode gerir a emergência de saúde e as novas eleições.

Guaidó está a trabalhar com o Banco Interamericano de Desenvolvimento e a OPAS para garantir a ajuda humanitária e fez um novo apelo às forças armadas do país para permitirem a entrada da ajuda.

19 de março: anúncio da criação de uma campanha de transporte aéreo que trará fornecimentos médicos da China.

16 de março: decretada uma quarentena social , onde as empresas devem fechar e os moradores devem permanecer nas suas casas, para todo o país , depois de implementar inicialmente um em seis estados e na capital, Caracas. Serão concedidas exceções para serviços de transporte, saúde e entrega de alimentos. As autoridades também exigem máscaras para quem entra no transporte público.

A administração Guaidó distribuiu 3.500 kits de segurança para profissionais médicos.

Encerramento das escolas a partir de 16 de março, sem data de reinicio. No dia anterior, o presidente  anunciou que todos os voos da Europa e Colômbia para a Venezuela estavam suspensos por um mês.

Impacto económico

24 de março: a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos e ex-presidente do Chile, pediu um alívio das sanções globais contra a Venezuela e Cuba, para permitir que esses países recebessem equipamentos médicos e humanitários.

22 de março: o presidente anunciou que as demissões são proibidas até 31 de dezembro, todos os pagamentos de alugueres residenciais e comerciais serão suspensos por seis meses, com efeito imediato, e que o governo ajudaria pequenas e médias empresas.

Os pagamentos de juros dos empréstimos também são suspensos por seis meses.

17 de março: o Fundo Monetário Internacional negou uma solicitação do governo da Venezuela para um empréstimo de emergência de US $ 5 bilhões sobre o vírus, porque “não havia clareza” sobre quem é o líder do país.

A estatal PDVSA está a oferecer descontos consideráveis nas exportações de petróleo, custando a empresa estatal apenas US $ 5 por barril, enquanto tenta evitar um colapso completo de seu setor de petróleo. Mais de 95% das exportações venezuelanas são provenientes da produção de petróleo, que caiu cerca de 75% em relação ao seu pico na virada do século.


Fontes:

Coronavirus | Cómo hace frente al covid-19 cada país de América Latina

Construção de hospitais, corridas às compras e quarentena: como a Argentina está enfrentando o coronavírus

Panamá suscribe Plan de Contingencia Regional por COVID-19

¿Qué tanto impacta el coronavirus a la economía en Colombia? – Sectores – Economía

Pandemia de COVID-19 em Cuba

Resumen de las medidas tomadas por el Gobierno de Cuba frente a la COVID-19

¿Qué tanto impacta el coronavirus a la economía en Colombia? – Sectores – Economía

Covid-19: Hacienda estima un impacto económico de 15 años

Impacto del coronavirus en la economía dominicana