Opinião: Mercosul e União Europeia: parceiros compatíveis?

Etiquetas: , ,
___________________________________________________________________________________

Foram necessárias duas décadas para concluir as negociações entre o Mercosul e a União Europeia. O Brasil, a Argentina, o Uruguai e o Paraguai eram (e ainda são) uma excepção no continente latino-americano. Esta excepção não é obra do acaso, mas, à primeira vista, não deixava de ser estranho que a maior economia da América Latina – o Brasil – e que um dos países com ligações históricas e culturais mais profundas com a Europa – a Argentina – fossem dos últimos resistentes, num espaço que vai de El Paso à Patagónia, à abertura ao comércio com a Europa.

Não nos enganemos: o Brasil e a Argentina são donos e senhores do Mercosul. No caso da Europa, mesmo nos tempos da velha Comunidade Económica Europeia (CEE) a seis, existia uma lógica de equilíbrio em duas dimensões. Por um lado, a contraposição entre grandes Estados – França, República Federal da Alemanha (RFA) e Itália – e pequenos Estados – Bélgica, Holanda e Luxemburgo. Por outro lado, as complementaridades entre os dois gigantes: França como potência política e com um sector agrícola muito forte; e a RFA como anão político, mas com uma economia altamente industrializada. A Guerra Fria também dividia a Europa geográfica e fomentava um alto nível de investimento norte-americano para manter a coesão do Ocidente.

No Mercosul, nunca se deram as circunstâncias que proporcionaram a construção europeia. Foram dois os (débeis) estímulos à criação de uma tentativa de mercado comum no Cone Sul: o regresso da democracia liberal à região, no final dos anos 80, e o bom marketing do exemplo europeu no contexto de fim da Guerra Fria. As economias argentina e brasileira, fruto de caractarísticas e circunstâncias, são proteccionistas e, mais do que complementares, concorrentes entre si. A posição mais periférica da América do Sul e a ausência de uma rede de países com elevada densidade populacional e um potencial de integração económica forte (como na Europa) levantaram as restantes barreiras ao projecto regional.

Notícia completa: ECO