CAL promove turismo latino-americano na BTL 2018

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

A Casa da América Latina marcou presença na Bolsa de Turismo de Lisboa 2018, em parceria com a Fundação AIP, que contou nesta edição com stands da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Peru, República Dominicana e Uruguai.

Para além das provas de gastronomia argentina, peruana, venezuelana, uruguaia, paraguaia e colombiana, quem visitou o stand da Casa da América Latina pôde ainda assistir a espetáculos de música e dança argentina e colombiana e danças do mundo com Afonso Costa da Academia com esse nome, bem como workshops variados e os habituais concursos de fotografia e partilha de experiências “Eu Fiz o Mochilão na América Latina”.

O foco principal desta iniciativa foi a promoção da cultura dos países desta região, onde o turismo é uma aposta assumida e um elemento fulcral para o desenvolvimento económico.

Origens coloniais portuguesas no Uruguai

O Ministro Conselheiro da Embaixada do Uruguai, Jaime Pache, salientou os fatores que fazem deste país uma aposta segura em termos turísticos: “O Uruguai conta com 600 quilómetros de costa e praias de areia branca e de rio, mas temos também turismo rural, em estâncias de fazendeiros. Os visitantes podem morar com os gaúchos que trabalham a terra e contactar com os cavalos selvagens. Estamos a apostar cada vez mais nesta vertente, que oferece um contacto cultural importante.”

A Colónia de Sacramento é um dos pontos centrais para o turista português que visita o Uruguai. Esta é a colónia portuguesa mais antiga na América Latina, considerada Património da Humanidade, datada de 1756. Este é, segundo Jaime Pache, “um centro de movimento cultural muito importante para os portugueses, que pode ser visitado fazendo uma viagem de barco desde Buenos Aires ou de autocarro desde Montevideu”.

Um dos setores centrais da economia do Uruguai é a carne. “Temos 3400 mil habitantes, 22 milhões de vacas, e 9 milhões e meio de ovelhas. A exportação de lã, couro e carne é a nossa principal aposta”, explicou Jaime Pache. A nível de investimentos, destacou os setores de Tecnologias e Financias, lembrando os “largos investimentos” que têm vindo a ser feitos em zonas francas, e que possibilitam a entrada de qualquer produto estrangeiro, sem a necessidade de pagar impostos.

Aventura e negócios no Chile

O Cônsul da Embaixada do Chile em Portugal, Patricio Cabezas, salientou o “turismo de aventura”, ligado à beleza deste país, de qualidade comprovada pelos prémios que recebe todos os anos nesta vertente, mas também o “turismo de negócios”. “Para além de o Chile ser um país atrativo, este conta também com uma grande estabilidade e excelentes infraestruturas”, afirmou.

As empresas portuguesas já descobriram o Chile, investindo especialmente nas energias renováveis, e no setor agroalimentar (vitivinicultura e conservas). “O Chile conta com acordos comerciais com economias que representam 83% da economia mundial. Para além disso, a variedade de climas permite um investimento numa vasta gama de produtos”, explicou o cônsul, que referiu ainda o fascínio associado ao Deserto Atacama (o mais seco do mundo), onde a NASA realiza testes das suas missões espaciais, e que comprova que “até no lugar mais árido do planeta é possível a vida”.

Crescimento turístico constante na República Dominicana

A República Dominicana é um dos principais destinos turísticos no Caribe, tendo vindo a crescer a um ritmo impressionante no mercado português (30%). “À parte das praias maravilhosas, a República Dominicana é o único país no Caribe com 25% do território correspondente a parques naturais. Temos as montanhas mais altas, as mais extensas praias com as unidades hoteleiras maiores e mais importantes da região”, afirmou Leila Boasier-Budecker, Diretora da Oficina de Turismo para Espanha e Portugal da Republica Dominicana.

O Ministro Conselheiro da Embaixada da República Dominicana em Portugal, Julio Seliman, destacou “a política governamental de investimento dedicada ao turismo”, que está desenhada para receber investimento estrangeiro e defendê-lo a longo prazo. “Temos um turismo permanente e que cresce anualmente. À parte dos incentivos, o crescimento é garantido e a estabilidade económica confirma que o Turismo no meu país é um investimento seguro”, explicou.

Este é ainda o país com mais crescimento em investimento estrangeiro direto (23%). Os empresários estrangeiros contam com uma lei de incentivo ao desenvolvimento de todas as empresas turísticas. “Nos últimos 6 anos, a República Dominicana tem mantido um crescimento de 7 ou 8%, quase triplicando o crescimento médio da região”, garantiu ainda Leila Boasier.

Colômbia, Turismo em tempo de paz

“Colômbia é o país com uma das maiores e mais ricas biodiversidades do mundo e com uma forte tradição de turismo associada a centros históricos, como Cartagena de las Índias. Contudo, surge agora com uma nova proposta, o Turismo em tempo de paz. Os colombianos são um povo alegre e resiliente, temos traçado um caminho duro no desenvolvimento da nossa economia e simultaneamente criado as bases para uma paz duradoura e sólida que permite acolher ainda melhor os turistas portugueses que queiram visitar-nos. Convido-vos a conhecer o meu país não só para negócios, o que tem acontecido muito nos últimos tempos, mas também em lazer. Este ano trouxemos empresários colombianos para reunir com operadores e agências de turismo portuguesas e preparamos outras acções de promoção para breve. E garanto, Colômbia não deixa ninguém indiferente,” destacou Carmenza Jaramillo, Embaixadora da Colômbia em Portugal.