Daniele Fontoura: “Superar o sexismo e o idadismo no mercado de trabalho”

Etiquetas: , ,
___________________________________________________________________________________

Daniele dos Santos Fontoura, recebeu o Prémio Científico Mário Quartin Graça, na vertente de Ciências Económicas e Empresariais. A sua tese Envelhecimento e Mercado de Trabalho no Setor Hoteleiro Brasileiro e Português: Uma Perspetiva de Género, foi realizada em cotutela da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa.

A investigadora respondeu a algumas questões colocadas pela Casa da América Latina.

A sua tese centra-se no estudo de género e idade no mercado hoteleiro português e brasileiro. O que a levou a escolher este tema e qual a pesquisa preliminar que realizou?

Nos resultados da minha dissertação de mestrado sobre mercado de trabalho apareceram alguns indícios que davam conta das dificuldades impostas pela idade para a manutenção do emprego. Em busca de um tema para a tese de doutoramento deparei-me com um livro que me intrigou de tal forma que não tive dúvidas que investigaria sobre as temáticas do envelhecimento: A Velhice, de Simone de Beauvoir. A partir de então, o aprofundamento dos estudos sobre o envelhecimento e seus reflexos no mercado de trabalho levou-me a constatar a importância da perspetiva de género nessa discussão. Ademais, o acompanhamento da professora Dra. Valmiria Piccinini da UFRGS desde o início do doutoramento e, posteriormente, da professora Dra. Sara Casaca do ISEG/ULisboa auxiliaram-me a encontrar o problema para a pesquisa, o qual considerava a correlação entre envelhecimento e género nas relações laborais. Restava-nos decidir pela escolha do campo. Em função de se tratar de um ramo do setor de serviços, nomeadamente dos serviços interpessoais, e contar com uma tradicional divisão sexual do trabalho somada à valorização dos mais jovens o setor hoteleiro revelou-se como um campo profícuo para a análise.

Que importância tem este estudo para o aprofundar de conhecimentos das relações culturais entre Portugal e o Brasil?

Os resultados da tese revelaram que há mais semelhanças entre Brasil e Portugal do que imaginávamos a priori. Os reflexos do envelhecimento de homens e mulheres no mercado de trabalho em Hotelaria delimita a atuação profissional destes trabalhadores ambos os países. Apesar do sistema de emprego de Portugal e do Brasil serem diferentes, as semelhanças se revelam nas práticas de trabalho do dia a dia. Essas práticas de trabalho acabam por impactar fortemente nas possibilidades de carreira de homens e mulheres. A valorização dos aspetos ligados ao masculino e ao jovem apareceram como pano de fundo onde se delineiam as relações de trabalho. Desta forma, fica evidente a importância da cooperação académica e empresarial para aprofundamento dos estudos, a recontextualização da pessoa mais velha na sociedade e no ambiente do trabalho e o contrariar das desigualdades de género. A vantagem para os dois países é a possibilidade de avançar e superar a problemática do sexismo e do idadismo no mercado de trabalho.

Quais os desafios que encontrou ao longo da realização desta tese?

Por se tratar de uma pesquisa qualitativa na qual a coleta dos dados primários ocorreu por intermédio de entrevistas semi-estruturadas realizadas presencialmente, a maior dificuldade foi o acesso aos atores do mercado de trabalho. Tanto os informantes privilegiados quanto os trabalhadores precisavam ter a disponibilidade do tempo e o interesse em participar. Algumas pessoas que gostaria muito de ter entrevistado não aceitaram participar da investigação. Foi preciso muito esforço e auxílio de ambas as orientadoras para que todos os critérios metodológicos fossem rigorosamente atendidos. Somou-se a isto o receio, especialmente por parte dos trabalhadores, de conceder entrevistas em um momento de instabilidade no mercado de trabalho. O maior desafio foi convencê-los de que a investigação tinha como propósito exclusivo o avanço do conhecimento científico. Felizmente, tal receio desfazia-se assim que iniciávamos a entrevista. Era comum, também, que as entrevistas levassem mais tempo que o previsto por interesse do próprio entrevistado.

Que importância tem este prémio para a prossecução do seu percurso profissional?

A atribuição do Prémio Científico Mário Quartin Graça por parte da Casa da América Latina e do Banco Santander reforça a importância da temática para ambos os países. No Brasil este ainda é um tema pouco discutido e pouco pesquisado. Ainda somos um país jovem que sequer conseguiu dar conta do emprego para os jovens. No entanto, a sociedade brasileira está envelhecendo de forma muita rápida e isto requer planeamento. Igualmente, o Brasil convive com situações graves de desigualdade em função do género no mercado de trabalho (e fora dele). É uma satisfação constatar que com este prémio essa discussão recebeu maior visibilidade tanto no meu país como em Portugal. Ademais, o prémio vem para legitimar a qualidade dos resultados encontrados, o rigor científico da tese, a atualidade do tema e coroar a parceria académica bem sucedida entre o Instituto Superior de Economia e Gestão da ULisboa e a Escola de Administração da UFRGS, bem com o trabalho conjunto das orientadoras, Dra. Valmiria Carolina Piccinini e Dra. Sara Falcão Casaca. Desta forma, agradeço à Casa da América Latina e ao Banco Santander por este reconhecimento.