México, uma oportunidade para empresas

Etiquetas: , , ,
___________________________________________________________________________________

O economista e antigo ministro mexicano da Energia, Jesús Reyes-Heroles, foi um dos convidados da conferência organizada pela AEP – Associação Empresarial de Portugal, que se realizou na Fundação AEP, no Porto no dia 29 de Abril. A iniciativa inseriu-se nas actividades do projecto Interambinerg, desenvolvido pela AEP para a internacionalização do sector português do ambiente e energia.

Durante a conferência, foram apontadas as oportunidades que vários países da América Latina têm para oferecer às empresas portuguesas que operam no sector energético. “Está em causa”, referiu o conferencista, “o fim do regime de operador único, com a consequente liberalização do mercado do petróleo e do gás, no México e os ambiciosos planos de investimento público em países como o Peru, a Colômbia e a Bolívia”.

Profundo conhecedor da situação económica e da realidade energética no México, Reyes-Heroles aludiu à reforma do sector que o Governo do presidente Enrique Peña Nieto tem vindo a operacionalizar no país. A reforma visa rentabilizar os recursos e potencialidades do país, alargando a cobertura do serviço eléctrico, a entrada de novos operadores nos mercados da produção e da distribuição de electricidade e a liberalização das actividades de exploração petrolífera e de gás natural.

O conferencista, que chegou a presidir à Pemex, a empresa pública mexicana de petróleo e gás, enfatizou as semelhanças com Portugal e abordou a abertura do mercado a operadores privados, de que podem resultar oportunidades de negócio para empresas portuguesas a trabalhar na área energética.

Para Reyes-Heroles “há na América Latina – e, em especial, no México – vastas oportunidades para as empresas portuguesas que operam nos sectores da construção, metalomecânica e tratamento de resíduos”, mencionou o antigo ministro.

O projeto Interambinerg é co-financiado pelo Compete, no âmbito do QREN, e esta conferência teve o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos.