“A CAL pode ser útil ao promover networking”

Etiquetas: , ,
___________________________________________________________________________________

A Casa da América Latina entrevistou Margarida Calvinho, Administradora da Prebuild, a propósito da sua estratégia para a América Latina e da sua ligação à CAL.

Em texto de opinião para o Jornal de Negócios, o Presidente João Gama Leão escreveu que, para que as empresas exportem, a diplomacia económica tem menos relevância no longo prazo do que uma redução de aspectos estruturais como os custos de produção. No caso da Prebuild quão importante foi o papel da diplomacia económica para que se implantasse na Colômbia?

A nossa implantação na Colômbia foi resultado de uma confluência de factores – uma analise e seleção criteriosas de oportunidades na América Latina, um timing adequado, uma estratégia de entrada no mercado com sérias mais-valias. Naturalmente não podemos ignorar a ajuda preciosa do Embaixador da Colômbia, como facilitador de todo o processo no seu início, e nesse sentido a diplomacia económica foi também importante.

Na sua opinião, que contributos poderá ter a Casa da América Latina em processos de internacionalização como o vosso, ou para PMEs que queiram seguir os vossos passos?

Naturalmente uma instituição como a Casa da América Latina poderá ser muito útil ao promover ações de networking entre empresários de Portugal e empresários da América Latina ou promovendo missões económicas, divulgando informação relevante e ajudando nos primeiros contactos que muitas vezes são a etapa mais difícil do processo de internacionalização, em especial para as PME’s.

Em 2013, o apoio da Prebuild foi fundamental para a realização do concerto À Descoberta da América, dedicado à Colômbia. Qual é a importância para a estratégia da empresa da sua associação a eventos culturais de qualidade?

O Grupo Prebuild tem uma perspectiva de longo prazo na sua abordagem ao mercado da Colômbia e por esse motivo a nossa opção de internacionalização passa pelo Investimento Directo. Nesse sentido, para o grupo é muito importante entender a apoiar a cultura dos diferentes países em que se encontra e fazêmo-lo de várias formas – desde a capacitação de Recursos Humanos Locais, à concessão de bolsas de estudo a estudantes colombianos até à associação a eventos culturais – como foi o concerto À Descoberta da América realizado em Lisboa ou o concerto de Ana Moura realizado em Bogotá em 2013.

Que planos e perspectivas tem a Prebuild para os próximos anos, na Colômbia e na restante América Latina?

A Colômbia recebeu de forma excelente o Grupo Prebuild e por isso nos empenhamos em corresponder a esse acolhimento com uma forte aposta no longo prazo para com o país, que se tem concretizado pela criação de novos postos de trabalho e investimento em projectos emblemáticos como o Parque Industrial de Gachanchipá, a criação de uma Rede de Distribuição e inúmeros projectos de construção de qualidade. Naturalmente reconhecemos o potencial de outros países da América Latina e inclusive estamos já presentes no Brasil e na Venezuela, que estamos certos serão também importantes no contexto da estratégia de expansão internacional do grupo.