OPT aposta no mercado da América Latina

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

[Texto exclusivo de Sandra Vasconcelos Lameiras, Directora Comercial da OPT, para a Casa da América Latina] A OPT – Optimização e Planeamento de Transportes, S.A. foi constituída em 1992, tendo sido pioneira em Portugal no desenvolvimento de projectos de I&D no âmbito do Planeamento Operacional de Transportes Colectivos, desenvolvendo soluções informáticas avançadas para a gestão e optimização de sistemas de transportes.

Desde 2010 a empresa encontra-se certificada com o Certificado de Qualidade e Inovação (ISO 9001 e NP 4457). Entre os nossos clientes contam-se a ANA – Aeroportos de Portugal, a Carris, a STCP, o Grupo Barraqueiro, os Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra, entre muitos outros.

A empresa mantém parcerias estreitas com centros de investigação como o INEGI (Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial) e o ICAT (Instituto de Ciência Aplicada e Tecnologia), e com o Sistema de Ensino Superior, de que são exemplo a FEUP (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), a FCUL (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) ou a Universidade de Aveiro.

Depois de décadas a consolidar a actuação no mercado interno, testando a robustez das soluções desenvolvidas num sector muito exigente, onde há uma necessidade contínua de desenvolvimento de soluções tecnologicamente inovadoras, a empresa atingiu uma maturidade que lhe permite de forma segura e consistente desenvolver uma estratégia de crescimento para os próximos anos, assente na sua internacionalização.

A escolha do mercado da América Latina baseou-se no resultado de estudos de mercado, a que não foram alheias as elevadas taxas de crescimento económico que se têm verificado nos últimos anos em países como Chile, Panamá, México ou Colômbia. Na América Latina há 60 milhões de pessoas que fazem parte da nova classe média, assim, há uma exigência de resposta urgente às necessidades crescentes de mobilidade da população, porque há uma procura acentuada dos sistemas de transportes coletivos e infra-estruturas pré-existentes, que não estão preparados para esta pressão acrescida. Assim, uma das prioridades nas agendas políticas, e comum aos diversos governos destes países, é precisamente a preocupação com as políticas de mobilidade sustentáveis. Todos anunciaram nos últimos meses, a intenção de realizarem elevados investimentos públicos na área da mobilidade nos próximos anos.

As perspectivas futuras são de que os conhecimentos acumulados no uso de Métodos Quantitativos, Tecnologias de Informação e Telecomunicações permitam à OPT propor soluções criativas para desafios cada vez mais exigentes, nomeadamente os relacionados com a geração automática de informação ao público. O produto mais recente da OPT – o MOVE-ME – é disso um claro exemplo. Trata-se de uma plataforma que disponibiliza ao utilizador a consulta dos tempos de passagem nas paragens e estações da rede de transportes, permitindo efectuar cálculos de rota multimodais entre dois ou mais pontos da área coberta pela rede de transportes, recorrendo sempre que possível a informação obtida em tempo real, por intermédio de uma ligação aos sistemas de localização de viaturas. Os utilizadores de transporte colectivo podem assim dispor de toda a informação na palma da mão, numa app para smartphones ou num website.

Os contactos comerciais recentemente encetados nestes países permitem-nos encarar com optimismo a opção tomada. Assim, a expectativa é que 2014 seja o ano em que concretizaremos a internacionalização para estes países.