CAL acolhe performance do projecto Interferencias

Etiquetas: ,
___________________________________________________________________________________

Data: Dia 23 de Julho às 19h00
Local: Casa da América Latina

INTERFERENCIAS reúne 25 artistas de diversos pontos do globo que se juntaram pela primeira vez em 2010 no México em San Luis Potosí e Cidade do México. Desse encontro constituiu-se um colectivo que tem vindo a trabalhar e pensar em conjunto modos de criação no âmbito das artes performativas. Na Casa da América Latina sete artistas do colectivo vão apresentar a “performance/livro” INTERFERENCIAS BOOK I: uma publicação criada colectivamente ao longo de ano e meio com o apoio de diversas entidades mexicanas.

A segunda edição do Interferencias 2012, a decorrer até setembro próximo, tem como tema “O que não podemos fazer sozinhos”. Através de três residências artísticas em três localizações distintas pretende-se questionar a noção de comunidade nómada e perceber de que forma o contexto social, cultural e geográfico em que nos encontramos influencia os modos de produção artística. Os encontros realizam-se em Portugal (Faro e Lisboa), Áustria (Viena) e México (San Luís Potosí e Cidade do México).

Este projecto tem o apoio de: Devir Capa (PT), Casa da America Latina (PT), Ttp/Wuk (AU), Impulstanz Festival (AU), Centro De Las Artes De San Luis Potosi (MX), Cante:Centro De Art Y Nuevas Tecnologias (MX), Instituto Nacional De Bellas Artes (MX), Centro Nacional De Las Artes (MX), Consejo Nacional Para La Cultura E Las Artes (MX).

Mais informações.

Artistas Envolvidas:

ANA TRINCÃO (Portugal) Mestrado em Solo/Dance/Authorship (SODA) pela universidade UDK/HZT Berlin (10/12).Licenciada em Artes Visuais pela ESAD.CR em Portugal e pela Universidade de Hildesheim, na Alemanha(00/01). Desde 2006, realiza o seu próprio trabalho no âmbito das artes performativas: Day of dead (06), Untitled untill today (09), Untitled with paper (10), Aletheia (10) e Crystal (11). Em 2008, coordenou o departamento de dança do Centa (Centro de Estudos e Novas Tendências Artísticas) em Portugal. Em 2009 participa de Point-to-point conferência e plataforma de intercâmbio em arte e performance entre Ásia e Europa, organizadas pela ASEF e Alkantara, em Lisboa. Também em 2009 recebe a bolsa DANCEWEB no âmbito do Festival ImPulstanz em Viena.Em 2011 for seleccionada a participar nas Residências Artísticas Ibero-americanas no México. O seu trabalho foi apresentado em Portugal, Espanha, México e Alemanha.

ANA MONTEIRO (Portugal) Ana Monteiro é pesquisadora no campo das artes cénicas. Nasceu em Portugal e estudou teatro e dança contemporânea. Em 2006 co-criou ‘48Cardboxes’, ‘4women and 1man’ (Encontros Imediatos, Alkantara Festival) e criou o solo ‘A partir de’ (2008 ADIÇÃO + Festival), ‘Woman walking in an exaggerated manner around perimeter of a square’ (2009), ‘Take it Back’ (2009); ‘Performance directives’ (2010), ‘28Jul/28Sep- a particular performance for specific context in an distinctive time (2010), ‘Emotion & Style’ (2011).Em 2009, recebeu a bolsa ‘Inov-art’ para a residência enBetonsalon-Arty do Centro de Pesquisa de Paris. Actualmente faz o mestrado no SODA em HZT / UDK Berlim, onde explora a relação entre teoria e prática, corpo e linguagem.

NADIA LARTIGUE (México) Formado pela Dans Hoger Instituut voor (Lier, Bélgica). Colaborou com artistas mexicanos independentes, como Mitrovica, Dharma, Earthworm, Guzman Elena, The Drift, NoraNewDance, Godinez Gloria, artista visual Daniel Guzmán, coletivo AM, entre outros. Co-criadora e intérprete do teatro / projeto de arte e performance ‘Homo Politicus’ dirigido pelo director espanhol Fernando Renjifo. Dançou na Bélgica as peças por Mark Varunxt (Hyena), Douglas Becker, Van Filip Huffel (Companhia de Dança Retina) Marie de Corte, Alexander Baervoets (Blind) com Karyn Vyncke e Geraldine Cardielem em Nova York. Seus últimos trabalhos foram mostrados no México, EUA, Brasil, Nova York e Bélgica, entre eles: ‘Punctum, Delete’ (co-criação com Eleno Guzman), ‘Embalaje lab1’ (Dharma), ‘Memória de nuestro tiempo pierdido’, Dueto para 2007 (com co-direção de Gloria Godinez), ‘Destillation d’um aphorism’, Anden (Gusano de tierra), o solo ‘Signo, reacción inversa a la política del avestruz’, ‘Cartografias’, Zelfportret e ‘Fecha de validad’.
Ela ganhou o 4th International Competition for young choreographers, Terpsíchore 2003 in Bornem, Bélgica Tié Too Tight e foi finalista do concurso mexicano Coreographic mexican contest Premio Covarrubias INBA-UAM 2006 with Huesos en Voz Alta. É membro do Danzateórica e organizou a conferência ‘Mirar adentro y afuera la danza (UNAM 2007) e também com ‘Inquietando’ agora chamado AM. Ela elaborou e coordenou o programa de TV (Canal 22) ‘Juego de corpos’ ao lado de Maite Málaga.
Ministra aulas de técnica de improvisação e composição na ‘Academia de La danza Mexicana’ no curso de graduação para bailarino profissionais . Ganhou o prémio de jovem criador (2008-2009) National Funds for the Arts. Colabora com Karlheinz Essl para o Festival ‘Musica em Scena’ (México).

ALMA QUINTANA (México) A artista formou-se na Escola Nacional de Dança Contemporânea (Instituto Nacional de Belas Artes – México) 2001-2006. Recebeu do Instituto Nacional de Artes e da Cultura bolsa de estudos como aluno convidado (2011) na ‘The School for New Dance Development’ –SNDO, em Amsterdam. Recebeu a bolsa ‘danceWeb’ (2009) para participar do Festival Internacional de Dança ‘ImPulsTanz’, em Viena (Áustria), orientada por Philipp Genmacher e Cristine de Smedt.
Estudou e fez workshops com Iñaki Azpillaga, Jennifer Lacey, David Zambrano, Josef Frucek, and Linda Kapetanea, Josef Nadj, Frank Micheletti, John Jasperse, Marion Ballester, Jeremy Nelson, Lluis Ayet, Muriel Piquet, e Akira Kasai, Ko Murobushi and Mitsuyo Uesugi-Buthod. Estreou em 2011 ‘Blueberry Blurry#’ em parceria com Pierre-Yves Diacon e Alice Pons. Em 2010, realizou o solo ‘REsonando’ e o trabalho ‘Bee dance’, realizado em colaboração com Sandra Gómez; também os exercícios ‘In between still it is’ e Cover Overse. Em 2008 e 2009 coreografou Franchir e Nemini. Desde 2009 trabalha em parceria com Esthel Vogrig desenvolvendo e organizando peças, laboratórios, e encontros que promovam discussão, reflexão como meio de ação para plataformas para as práticas performáticas: http://www.interferenciasmexico.com. Foi convidada a participar do projeto Skite 2010, em Caen – França, organizado por Jean Marc Adolphe. Em 2008 trabalhou na ‘Third Night Theater’, organizado pelo grupo PROYECTO 3 com cenas dos diretores Jean Fredéric Chevallier (França) e Matthieu Mevel (Italia). Em 2005 fez parte do encontro ‘Dialogue du Corps’, organizado por Salia Ni Seydou no Burkina Faso. Dançou com as Companhias. ‘Foco al Aire’, ‘Kubilai Khan Investigations’ e‘Inside the Body’, sob a direção de Octavio Zeivy, Frank Micheletti e Aladino Blanca.http://www.almaquintana.com/

ESTHEL VOGRIG (México) Bailarina e coreógrafa ítalo – mexicana ingressou na Licenciatura em Coreografía de la Escuela Nacional de Danza Clásica y Contemporánea’ no México (2001-2005) . Iniciou sua formação na República Dominicana em ‘Ritmos Espacios de Danza’, na qual recebeu uma bolsa em 1999 para participar do ‘American Dance Festival’ (EEUU). Em 2000 foi bolsista pelo American Dance Festival para participar novamente do festival e em 2009, participa do ‘Impuls Tanz Festival’ como bolsista DanceWeb. Estudou com David Zambrano, David Dorfman, Joren Peters, Martin Nachbar, Ko Morobushi, Josef Nadj, Lutz Foster, Iñaki Azpillaga, David Hernández, Betty Jones, Tere O`CONNOR entre outros.Desde 2003 cursa no Centro Multimedia del Cenart/México diversas oficinas focadas no trabalho com áudio e vídeo através de softwares como Final Cut, EyesWeb, MAX-msp e vvvv. Em 2002 funda o grupo Los Platelmintos, (http://losplatelmintos.co.cc/) um grupo de artistas que integram dança, música, vídeo e meios electrônicos como plataformas para experimentação. Entre as suas coreografias recentes estão, Lo de la mierda (2007), El espaciometro (2008) e Mi última Foto ( 2010). Foi ganhadora do Programa de Apoyo a la Producción e Investigación en Arte y Medios, do Centro Multimedia e Conaculta (apoios culturais do governo mexicano) para produção de:Vistas(2005) e 0.5 m2 (2009). Participou em vários festivais de dança e arte eletrônica. A sua obra já foi apresentada nos principais teatros de Cidade do México, assim como na República Dominicana e na França. Colaborou com o grupo de música electroacústica MU, com os compositores Alejandro Romero e Ernesto Romero, o artista francês Robin de Courcy e o artista visual japonês Cántaro Taki. É membro co-fundador do colectivo INQUIETANDO, grupo de coreógrafos mexicanos cujo interesse é o intercâmbio de ideias e informação sobre práticas cênicas contemporâneas.http://esthelveravogrig.wordpress.com/

BENJAMIN KAMINO (Canada) Benjamin Kamino estudou dança em Toronto, Canadá com PBJ dance company e Escola de Artes Etobicoke, onde se formou sob a tutela de Shari Wolfson, Laurie Raymond, Colleen Freidman. Em Toronto também trabalhou com o coreógrafo Peter Chin em seu premiado filme ‘Streetcar’. Depois mudou-se para New York/USA trabalhou com os coreógrafos Alethea Addsit, Charlotte-Boye Christenson, Tracy Lang, Emily Pope-Blackman, Sho Ikushima, Danielle Russo, Ashley Brown y Emily Harper, além de desenvolver seu próprio trabalho criativo. Benjamin se graduou em Belas Artes na NYU’s Tisch School of the Arts (2008). Também colaborou com Edisa Weeks e sua companhia ‘Delirious Dance’. Obteve a bolsa ‘Danceweb’ que permitiu com que trabalhasse com os coreógrafos Ester Salamon, Christine De Smedt, Philip Gehmacher, Rasmus Olme, David Zambrano, Jennifer Lacey, Jeroen Peeters, Martin Nachbar. Participou dos workshops com Shannon Cooney, Benoit Lachambre, Peggy Baker, Misha Glouberman, DD Dorviller, Nicole Haitzinger, Bruno Caverna, Zvi Gotheiner, Laura Aris Alvarez, Peter Jasko, Frey Faust, Jacob Zimmer y John Jasperse. Como intérprete, dançou “Transformers” de Ezter Salamon e Christine De Smedt, “Appropriation #3:”Manual for Incidence” Ame Henderson de Benjamin Kamino, “Petite Riviere” de Antonija Livingstone, “It’s about time: 60 dances in 60 minutes” de Michael Trente, “Bloodletting and other pleasant things” de Tony Chong, “Double Bill #1” co-dirigido por Ame Henderson, “Walls” de Charlotte Boye-Christenson, “Elephant Dreams” e “Liasons: The living room project” de Edisa Weeks com bailarinos “Blink: The Indelible Blue Wall Coda” de Alethea Adsitt. Atualmente, Benjamin trabalha com a Compagnie Marie Chouinard, na Europa e desenvolvendo o projeto general labour.http://www.dwyc2y.blogspot.com/

PIERRE-YVES DIACON (Suíça) Pierre-Yves é bailarino profissional que trabalha como criador-intérprete de dança contemporânea desde 2005. Ele pratica ‘breakdance’ de alto nível desde a metade dos anos 90. Desde julho de 2008 é o diretor artístico da Cia. ‘Les Mondes Transversaux’, bem como trabalha como assistente de dramaturgia. Fez parte de vários festivais ‘undergrounds’ de hip-hop. Ele apresentou-se na Suíça, Itália, Canadá, Alemanha, França e Holanda. De agosto de 2003 a julho de 2009, estudou na ‘The School for New Dance Development’ em Amsterdam. De julho de 2008 a março de 2009 participou do Programa Tranforme (ciclo de formação continuada em coreografia) no CRCC da Fondation Royaumont – FR. Ele recebeu a bolsa de estudos ‘danceweb’ para o Festival Internacional de dança ‘Impulstanz’, em Viena – Áustria e também fez parte do NOMAD 2010, programa de residência artística nos Balkans. http://www.mondestransversaux.ch/