Prémio de Literatura CAL/Banif – Tradução Literária 2011

Etiquetas:
___________________________________________________________________________________

O Prémio de Literatura Casa da América Latina/Banif 2011 de Tradução Literária, no valor de sete mil e quinhentos euros, foi atribuído aArtur Guerra e Cristina Rodriguez, pela tradução do romance póstumo “2666”, do escritor chileno Roberto Bolaño, publicada em 2010 pela Quetzal Editores. A cerimónia de entrega do Prémio decorreu hoje, dia 13 de Setembro, pelas 12H00, na Casa da América Latina, em Lisboa (Av. 24 de Julho, 118 B).

O Júri do Prémio de Literatura Casa da América Latina/Banif 2011 de Tradução Literária é constituído por Vasco Graça Moura (Presidente), Annabela Rita (em representação da Associação Portuguesa de Tradutores), por Francisco Belard e Mário Quartin Graça (em representação da Casa da América Latina, sem direito a voto).

Este ano, o júri deliberou, por maioria, atribuir o Prémio a Cristina Rodriguez e Artur Guerra pela tradução do romance póstumo “2666”, do escritor chileno Roberto Bolaño, tendo ainda manifestado o seu apreço, entre as restantes obras concorrentes, pela tradução de Salvato Telles de Menezes do romance “Balas de Prata”, do escritor mexicano Élmer Mendoza, publicada em 2009 pela Quetzal Editores.

Em 2011, foram apresentadas ao Prémio de Literatura Casa da América Latina/Banif candidaturas de 24 obras de autores oriundos de sete países latino-americanos, publicadas em Portugal entre 2009 e 2010 por seis editoras, e traduzidas por treze tradutores e tradutoras.

O Prémio de Literatura é concedido anualmente pela Casa da América Latina e pelo Banif – Banco Internacional do Funchal, sendo alternadamente de Criação Literária e de Tradução Literária.

Sobre os Prémios de Criação Literária e de Tradução Literária

Ao criar, em 2005, os Prémios de Criação Literária e de Tradução Literária, a serem atribuídos em anos alternados, a Casa da América Latina teve como objectivos contribuir para incentivar a edição em Portugal de obras de autores latino-americanos e estimular a qualidade das suas traduções.

O Prémio de Criação Literária 2006 foi atribuído ao romance “O Voo da Rainha”, do escritor argentino Tomás EloyMartínez; o Prémio de Tradução Literária 2007 teve como vencedora Helena Pitta, pela tradução do romance “Malinche”, da escritora mexicana Laura Esquível; e o Prémio de Criação Literária 2008 coube ao romance “No céu com diamantes”, do escritor cubano Senel Paz.

A partir de 2009, o Banif associou-se a esta iniciativa, tendo sido criado o Prémio Literário Casa da América Latina/Banif, naquelas duas vertentes, sendo o Prémio referente àquele ano, de Tradução Literária, atribuído a Hélder Moura Pereira, pela tradução do romance “O Inútil da Família”, do escritor chileno Jorge Edwards.

Em 2010, o Prémio Literário Casa da América Latina/Banif, de Criação Literária, teve como vencedor a narrativa “Somos o Esquecimento que Seremos”, do escritor colombiano Hector Abad Faciolince.